Mais quatro estados integram a Rede e-Tec Brasil no SENAR

286

Eles viajam horas  para assistir uma aula presencial ou colocar em prática seus conhecimentos. Deise Mondadori e Eduardo Hofman são gaúchos e alunos do  Curso Técnico em Agronegócio da Rede e-Tec Brasil no SENAR, no polo de São Joaquim, em Santa Catarina. Ela, administradora de empresas, especializada em Planejamento e Controladoria e, ainda, em Gestão Estratégica de Custos, mora e trabalha em Vacaria, a 173 km de São Joaquim. Ele, acadêmico de Engenharia Mecânica, vive em Cachoeirinha e percorre um trecho de estrada ainda mais longo, 290 km.

SENEAR
Alunos do polo de apoio da Rede e-Tec Brasil no SENAR em São Joaquim (SC). Foto: SENAR

 Ambos acham que vale muito a pena toda essa dedicação.  “O SENAR está oferecendo uma oportunidade de ouro para quem souber aproveitar” – avalia Deise. “Esse curso supera todas as expectativas” – garante Eduardo. E a boa notícia é que gaúchos como eles, interessados no Curso Técnico em Agronegócio, agora vão poder frequentar as aulas presenciais no recém inaugurado polo de apoio da rede em seu próprio estado.

 
Além do Rio Grande do Sul, Bahia, Rondônia e Roraima também passaram a integrar a Rede e-Tec Brasil no Senar  e participam do novo processo seletivo para o curso, aberto no último dia 15. Ao todo,  58 polos da rede espalhados por 19 estados do país oferecem mais de 2.500 vagas nesta seleção que está com as inscrições abertas no portal http://etec.senar.org.br/ até o dia 15 de fevereiro. Para se inscrever, o candidato deve ter o Ensino Médio completo.
Certificado pelo Ministério da Educação, o Curso Técnico em Agronegócio vem desde o início de 2015 ampliando o acesso da população rural ao ensino médio profissionalizante. E com uma qualidade que  reflete mais de duas décadas de experiência do SENAR na formação profissional rural.  Gratuito e semipresencial, com 1.230 horas-aula,  o curso permite que o aluno assista a maior parte das aulas (80%) pela internet. As aulas presenciais, nos polos de apoio,  são, em geral, de duas a três vezes por mês, assim como as visitas técnicas para aquisição de prática.

Dayse Beltrame, coordenadora do polo de apoio de São Joaquim, considera a iniciativa do SENAR, em levar ao campo o  ensino formal de nível técnico,  uma grande conquista para o Brasil rural. “Estamos muito felizes em contribuir para fomentar o desenvolvimento e promover a permanência do homem no campo. Hoje, já com duas turmas em nosso polo, vejo que o objetivo de formar profissionais habilitados na aplicação dos procedimentos de gestão e de comercialização do agronegócio está sendo alcançado, pelo comprometimento e a satisfação de todas as partes, da entidade e dos alunos”.
Eduardo
Eduardo Hofman, 1º. colocado do polo de São Joaquim (SC) na última seleção. Foto: SENAR
Eduardo Hofman é o retrato da satisfação mencionada pela coordenadora. Nem as quatro horas de estrada para assistir as aulas presenciais esfriam seu entusiasmo. “Meu interesse por esse curso sempre foi tão grande que estudei para passar no exame de seleção e fui o primeiro colocado no polo de São Joaquim. Como estou cursando também Engenharia Mecânica, queria entender melhor as necessidades do produtor rural, pois tudo o que é usado de equipamento no campo é projetado pelo engenheiro. E o curso técnico não para de me surpreender. Estamos tendo acesso a um conhecimento de ponta, o conteúdo é muito atual e a metodologia excelente”.
Horizonte ampliado
Tão entusiasmada quanto o colega, Deise Mondadori também não poupa elogios ao Curso Técnico em Agronegócio do SENAR. “O material é fantástico, didática de fácil compreensão. As aulas online são interativas e é como se  estivéssemos com o professor na nossa frente. E sempre temos apoio dos tutores e professores para nos orientar a distância ou nas aulas presenciais”.
DEISE
“Meu horizonte se expandiu com esse curso”, Deise Mondadori. Foto: SENAR

Deise tem um forte vínculo com a terra. Aos 85 anos, seu avô paterno ainda vive no campo e ela alimenta um  sonho. “Vejo que temos ainda muitas coisas  para descobrir na área do agronegócio e meu sonho é fazer uma grande descoberta que possa impactar e resultar no bem estar de milhares de pessoas”. O caminho para isso, ela não tem dúvidas, é o que está seguindo. “Meu universo era planejamento e controle e hoje, com o curso técnico, meu horizonte se expandiu e consigo visualizar muito mais claramente novas possibilidades para o produtor rural. É preciso entender que a propriedade rural é um negócio, tem que dar lucro, sustentar e ser sustentável, respeitando os limites das pessoas e do meio ambiente”.

Mais informações e edital da seleção para o Curso Técnico em Agronegócio:
Fonte: Assessoria de Imprensa SENAR

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.