Sites e Blogs prejudicados: Google é multado em € 500 milhões na França em briga com imprensa por pagamento de conteúdo

Órgão regulador de concorrências pressiona gigante da tecnologia a negociar remuneração à imprensa por uso de conteúdo na plataforma

173

Por MediaTalks

Julho, 2021 – A autoridade de concorrência da França multou o Google nesta terça-feira (13/7) em € 500 milhões por não respeitar as medidas provisórias impostas no ano passado, que exigiam que a empresa negociasse “de boa fé” com órgãos de imprensa sobre compensação financeira pelo conteúdo veiculado na plataforma.

A França é um dos poucos países que implementou a reforma dos direitos autorais da União Europeia (UE), que concede a publicações o direito de solicitar remuneração quando seu conteúdo é exibido em redes sociais e plataformas online, o chamado “direito vizinho”.

Entidades e veículos de imprensa franceses, incluindo o Sindicato das Editoras de Revistas, a Alliance of General Information Press (APIG em francês) e a Agence France-Presse (AFP), reclamaram à Autorité de la Concurrence de que o Google não estava negociando acordos de licenciamento “com boa fé”, depois que legisladores franceses introduziram o direito vizinho da UE na legislação nacional.

“O Google ainda parece não aceitar a lei como ela foi votada, mas não cabe a um ator, mesmo dominante, reescrever a lei”, disse a presidente da autoridade, Isabelle de Silva.

O Google se recusou a negociar com agências de notícias e empresas que não publicam “informações gerais e políticas”, acrescentou a autoridade, e não forneceu aos editores as informações necessárias para avaliar quanto dinheiro eles poderiam conseguir.

“A penalidade de € 500 milhões leva em consideração a gravidade excepcional das violações observadas e o fato de que o comportamento do Google levou a um novo atraso na aplicação adequada da legislação de direitos vizinhos”, disse Silva.

A decisão de terça-feira não anula automaticamente os acordos de licenciamento já acordados entre o Google e os editores, mas pode ser aproveitada para pedir uma renegociação, acrescentou o presidente da Autorité.

Segundo a autoridade de concorrência francesa, o Google terá que apresentar uma oferta de remuneração às publicações em dois meses, ou enfrentará uma multa de até 900 mil euros por dia.

Google chegou a fazer acordos e se diz “decepcionado”

A APIG e o Google haviam anunciado um acordo de US$ 76 milhões sobre o pagamento por material de notícias em janeiro, num passo inicial de negociações, porém de uma parcela ínfima do conteúdo que passa pela plataforma.

“Estamos muito decepcionados. A multa ignora nossos esforços para chegar a um acordo e a realidade de como as notícias funcionam em nossas plataformas. Até o momento, o Google é a única empresa a anunciar acordos sobre direitos conexos”, disse um porta-voz da empresa em comunicado, citando ainda um acordo global com a AFP que estaria “prestes a ser finalizado”.

Foi um golpe para a gigante de tecnologia dos Estados Unidos e pode ter repercussões além das fronteiras francesas, já que De Silva disse que espera que o caso forneça um plano para outros países da UE que estão atualmente adaptando a legislação nacional à reforma de direitos autorais do bloco, e “impedir o Google, ou outras plataformas, de reproduzir este comportamento”.

Austrália, a primeira a legislar sobre o tema

A Austrália foi o primeiro país a legislar sobre pagamento de conteúdo jornalístico. Em fevereiro, o país aprovou uma regulamentação obrigando as plataformas digitais a negociarem remuneração com as empresas de mídia por uso de conteúdo produzido por elas. A lei determina que se não houver acordo, o governo atuará como árbitro entre as partes.

Antes da votação final no parlamento, as empresas de mídia digital tentaram resistir, chegando a ameaçar que sairiam do país, mas acabaram se enquadrando.

O Google foi o primeiro a ceder, anunciando contratos milionários com grandes empresas de mídia antes mesmo da passagem da lei, enquanto o Facebook desafiou o governo,  chegando a tirar links de notícias e de serviços essenciais de suas plataformas. No final, ambas fecharam grandes acordos com a mídia.

Queixas afirmam que Google quis impor produto de notícias à imprensa

Um dos pontos contra o Google na França foi o fato de a empresa impor aos órgãos de imprensa a exigência de discutir uma nova parceria que incluía o produto de notícias Showcase, antes de estabelecer a remuneração com base no uso atual de conteúdo protegido por direitos autorais.

“A estratégia do Google era dizer: Ok, vamos pagar aos editores, mas não com base nos direitos vizinhos, e sim com base em nosso produto, Showcase”, disse Damien Geradin, advogado que representou clientes contra Big Techs, do escritório Geradin Partners.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.