Saída de Dilma sela o legado do PT no Brasil, após 13 anos de governo.

183

Da Redação 

Como todo casamento, no início foi tudo lindo, romântico e maravilhoso. Muitas alegrias, o país viveu grandes momentos, LULA era o cara, como disse em certo momento o presidente dos EUA, Obama.  Durante, 13 anos recebemos muitos investimentos, nas áreas sociais, de infraestrutura, educação e energia. A Petrobras, maior empresa estatal brasileira saiu de um papel de empresa coadjuvante para status de estrela mundial. Só não se esperava que justamente na maior companhia brasileira e orgulho nacional, surgisse a LAVA JATO.

LULA - 2016
LULA, no Rio durante campanha de 2014. Foto:JCC

Ainda assim, empregos jorravam em várias direções e regiões do país. Mudanças significativas na economia aconteceram, os mais pobres passaram para outro patamar, tiveram acesso aos muitos serviços e meios que eram negados, como a simples ação de cursar uma faculdade ou viajar de avião. Por outro lado, os mais ricos, ficaram muito mais ricos. Encheram a pança de bilhões. Consolidaram-se como verdadeiros “donos” das riquezas brasileiras.

Já, os políticos, tanto da esquerda quanto da direita, estes, ainda estão no passado, talvez estes sejam, os únicos grupos que ainda não se reciclaram com um novo país. Um país antenado, com o mundo, um mundo muito mais digitalizado, mais dinâmico e acessível em diversas facetas.

O Supremo Tribunal Federal (STF), dessa vez teve que aparecer para a sociedade brasileira e vimos uma turma de pessoas decepcionantes, do ponto de vista da retórica. O STF mostrou-se o mais do mesmo, ou seja, vive numa Ilha, com benefícios do povo.

Ainda, o grande LULA, com força, talento e carisma conquistou muitas pessoas por todo o país e pelo mundo. Entretanto, como em todos em todos os momentos da vida real, o fim chegou. Não, para o LULA, figura central da nossa história, mas, quem sabe para o LULA, dos anos de sindicato. E com ele, o PT, o partido que muitos brasileiros amavam, ou simplesmente nutriam simpatia. Isto fica no passado.

Dilma confundiu-se entre ser eficaz com ser durona. Talvez após o afastamento da presidência, ela, Dilma, faça uma reoxigenação das suas ações, enquanto teve no comando do país. Neste novo fim de governo TEMER, teremos pouco tempo para avaliar, os mesmos políticos de sempre.

No mais, os 11 milhões de desempregados do Brasil aguardam desesperadamente uma luz no fim do túnel.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.