Organização ambiental brasileira vence prêmio português pela melhoria da qualidade de vida

157

Prêmio de 250 mil euros recebido pela Fundação Amazonas Sustentável (FAS) será destinado a projetos em comunidades ribeirinhas da Amazônia

A Fundação Amazonas Sustentável (FAS) é a grande vencedora do Prêmio Calouste Gulbenkian 2016, de Portugal, da Fundação Gulbenkian, nome de seu idealizador que deixou os bens em testamento para a criação da entidade há 60 anos. No valor de 250 mil euros, o prêmio será entregue na próxima quarta-feira (20/07), às 14h30 (horário de Brasília), no anfiteatro da Fundação, em Lisboa. Estarão presentes o presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa e o ex-presidente, Jorge Sampaio, além do presidente da Fundação Gulbenkian, Artur Santos Silva. Neliton Marques e Virgílio Viana, respectivamente, vice-presidente do Conselho de Administração e superintendente-geral da FAS que irão representar a organização.

O júri do Prêmio Calouste Gulbenkian, presidido por Jorge Sampaio, nomeou, entre 75 candidaturas internacionais, uma organização ambiental brasileira que tem se destacado na defesa e à valorização da floresta amazônica, promovendo o envolvimento sustentável, a conservação ambiental e a melhoria da qualidade de vida das comunidades ribeirinhas do Estado do Amazonas. O júri enalteceu a ação da FAS que, “operando numa zona mundialmente tão crítica como a Amazônia desenvolve projetos para reduzir o desmatamento, preservar a biodiversidade, contribuindo para melhorar a qualidade de vida das populações tradicionais”.  O júri enfatizou que “esta distinção representa um sinal forte da importância das questões ambientais principalmente pelo acordo histórico sobre as mudanças climáticas assinado, na ONU, por um número recorde de países”.

Virgílio Viana, superintendente-geral da FAS, fala sobre a importância de tal reconhecimento que será investido integralmente nos programas e projetos desenvolvidos pela FAS junto às 573 comunidades em que a organização atua no interior do estado. “Foi com grande alegria que recebemos a notícia de que fomos agraciados com este prêmio tão sério. Cada vez mais a equipe da FAS se envolverá de maneira apaixonada e com muita seriedade e profissionalismo nos enormes desafios relacionados com a promoção do desenvolvimento sustentável, em especial à conservação ambiental e a melhoria da qualidade vida das populações ribeirinhas da Amazônia”.

Um dos fatores fundamentais para a FAS ser a vencedora do prêmio em 2016 é a combinação de seus três programas, que juntos atendem populações ribeirinhas desde a infância à vida adulta. Com o Programa Bolsa Floresta, que representa um marco histórico no esforço para o desenvolvimento sustentável do Amazonas, a Fundação tem promovido para as famílias ribeirinhas, oficinas dirigidas sobre mudanças climáticas, serviços ambientais, alertando para os efeitos negativos da abertura de novas áreas de roçado em florestas primárias.

Já o Programa de Educação e Saúde desenvolve esforços para ampliar e qualificar a oferta de serviços públicos de saúde e de educação nas comunidades, utilizando uma infraestrutura existente (Núcleos de Conservação e Sustentabilidade) para implementar projetos de qualificação profissional, empreendedorismo, atenção integral à primeira infância, intercâmbio de saberes, incentivo à leitura, reciclagem de resíduos sólidos e práticas agroecológicas e de permacultura.

Também o Programa de Soluções Inovadoras tem encorajado projetos para melhorar a produção, a qualidade dos produtos e o rendimento das populações por meio dos dispositivos e equipamentos inovadores, incentivando boas práticas e procedimentos de segurança.

Prêmio Gulbenkian

No valor de 250 mil euros o Prêmio Calouste Gulbenkian é entregue a uma instituição ou a uma pessoa, portuguesa ou estrangeira, que tenha se distinguido na defesa dos valores essenciais da condição humana. Foi concedido pela primeira vez em 2012 à West-Eastern Divan Orchestra, a formação liderada por Daniel Barenboim, tendo nos anos seguintes, contemplado, respectivamente, a Biblioteca de Alexandria (2013) e a Comunidade de Santo Egídio (2014), e a Denis Mukwege, o médico congolês que tem dedicado a sua vida a assistir mulheres vítimas de violação na República Democrática do Congo.

O Júri do Prêmio Calouste Gulbenkian é composto por Jorge Sampaio (Presidente), Vartan Gregorian (Carnegie Corporation, EUA), Comandante Pedro Pires (antigo Presidente da República de Cabo Verde), SAR Princesa Rym Ali da Jordânia (fundadora Jordan Media Institute), Antônio Nôvoa (antigo reitor da Universidade de Lisboa) e Mônica Bettencourt-Dias (investigadora Instituto Gulbenkian de Ciência).

Sobre a Fundação Amazonas Sustentável (FAS)

A Fundação Amazonas Sustentável (FAS) é uma organização brasileira não governamental, sem fins lucrativos, de utilidade pública, estadual e federal. Criada em 20 de dezembro de 2007, pelo Banco Bradesco em parceria com o Governo do Estado do Amazonas, tem como missão promover o envolvimento sustentável, a conservação ambiental e a melhoria da qualidade de vida das comunidades ribeirinhas do Estado do Amazonas. A entidade conta com o apoio da Coca-Cola Brasil (2009), do Fundo Amazônia-BNDES (2010) e da Samsung (2010), além de outras parcerias em programas e projetos desenvolvidos.

Fonte: Assessoria de Imprensa FAS

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.