Ministério da Integração participa de mobilização nacional no combate ao Aedes aegypti

252

As ações, que integram o Dia Nacional de Combate ao Mosquito, contaram com palestras do ministro Helder Barbalho em escolas do norte do país e vistoria nas instalações do Ministério

Brasília-DF, 2/12/16 – Engajado na campanha de combate ao mosquito Aedes aegypti, o Ministério da Integração Nacional vistoriou nesta sexta-feira (2) todas as instalações da Pasta e suas vinculadas. Com o objetivo de conscientizar a população e reduzir os focos do mosquito, a ação contou com a participação de agentes da Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil (Sedec) e do Corpo de Bombeiros do Distrito Federal. O dia de mobilização nacional também foi marcado pela presença do ministro Helder Barbalho em Belém (PA) e em Manaus (AM), onde falou com estudantes e professores sobre a importância de adotar medidas simples e de rotina para evitar a reprodução do Aedes. Em apoio às ações, o presidente da República, Michel Temer, participou de videoconferência com cinco estados no Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres (Cenad), da Sedec.

“O Brasil se mobiliza hoje como fez em 2015, por constatar que nós estamos diante de um problema gravíssimo, que não é de uma região, nem de um estado ou município, mas de uma nação inteira. O combate ao Aedes precisa ser uma causa pessoal para cada um de nós. Os governos federal, estadual e municipal estão fazendo sua parte, mas precisamos contar com o engajamento de todos os cidadãos para eliminar os criadouros e evitar que o mosquito se reproduza. Precisamos vencer essa guerra”, destacou Helder Barbalho durante a iniciativa realizada em Belém.

A estudante Roberta Okada, da Escola Militar de Belém, participou da palestra e afirmou que as orientações foram fundamentais para que todos possam apoiar essa campanha. “É muito importante saber o nosso papel e nos unirmos para que, juntos, possamos lutar e combater o mosquito”.

As ações do Ministério da Integração Nacional foram reforçadas também pela presença do presidente da República, Michel Temer, no Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres, onde está instalada a Sala Nacional de Coordenação e Controle para o Enfrentamento à Microcefalia. Durante a visita o presidente participou de videoconferências com representantes dos governos do Rio de Janeiro, Goiás, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul e Roraima. O objetivo foi reforçar as orientações do Governo Federal para que os cidadãos pratiquem vistorias semanais, garantindo que o mosquito não complete seu ciclo de reprodução. “A intenção com esta série de ações em todo o Brasil é que logo após o período de chuvas possamos obter êxito e reduzir consideravelmente o número de casos das doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti”, afirmou o presidente Temer.

O mutirão desta sexta-feira marca o início das ações de mobilização integradas e simultâneas, em todas as capitais do país, numa articulação com prefeituras, governos estaduais e população. Durante todo o dia, ministros de Estado, militares das Forças Armadas, agentes de saúde e de defesa civil visitaram residências, escolas, órgãos públicos, canteiros de obras e outros locais para conscientizar a população sobre a importância do engajamento de todos na luta contra o mosquito transmissor da dengue, vírus Zika e febre chikungunya.

“A partir desta nova rodada da campanha e da necessidade de cada estado estamos disponibilizando o apoio federal e o auxilio necessário para que cada região possa enfrentar o vetor e reduzir o número de casos das doenças”, afirmou o ministro Helder Barbalho durante sua palestra em Manaus. 

Iniciativas para evitar a proliferação do mosquito

Para erradicar o Aedes aegypti e os criadouros do mosquito é necessário adotar uma rotina com medidas simples, como eliminar recipientes que possam acumular água parada e dedicar um tempo para realização de vistorias.  Cerca de 15 minutos por semana são suficientes para manter o ambiente limpo e ficar longe dos perigos do Aedes, já que o mosquito demora de 7 a 10 dias para se desenvolver totalmente na água parada.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.