Leilão emergencial privilegia fontes fósseis mais caras e conta de luz deve aumentar ainda mais no País, avalia ABSOLAR

250

Outubro de 2021 Mapeamento da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR), aponta que os projetos de grandes usinas solares fotovoltaicas cadastrados no Procedimento Competitivo Simplificado (PCS) nº 001 de 2021, realizado hoje, dia 25 de outubro, foram responsáveis pela oferta de apenas 3% de toda a potência disponível no certame. A expectativa da entidade é que, com a baixa contratação de menos de 1% de energia solar mais competitiva em contrapartida com mais de 97% de contratação de termelétricas a gás natural, a conta de luz dos brasileiros continue a subir nos próximos meses.

Segundo a entidade, a fonte solar, reconhecidamente mais competitiva no Brasil e no mundo, teve resultado irrisório no certame e, assim, os brasileiros vão pagar mais caro para “sujar” a matriz elétrica. Para a associação, uma das razões para baixo de nível de contratação nos leilões deste ano, sobretudo de energia mais competitiva, é a “sobrecontratação” das distribuidoras, que possuem contratos antigos de fornecimento de eletricidade de usinas que hoje não possuem condições estruturais de entregar os megawatts acordados, a chamada garantia física. “Por isso, é necessária uma revisão da garantia física, para que os leilões possam ter contratações alinhadas com as necessidades de geração de energia do País, comenta o presidente executivo da ABSOLAR, Rodrigo Sauaia,

O leilão contou com a participação de empreendimentos solares fotovoltaicos, eólicos, termelétricos a biomassa, óleo combustível, óleo diesel e gás natural. Ao todo, foram cadastrados 972 projetos, totalizando 62 gigawatts (GW) de potência, o equivalente a mais de um terço da potência atual da matriz elétrica brasileira.

A fonte solar fotovoltaica foi cadastrada com apenas 78 projetos, totalizando 1,86 GW de potência. A contratação das usinas a gás natural representou 97,1% do leilão, enquanto a biomassa ficou com 2,6% e a solar fotovoltaica com apenas 0,3%.

Para o vice-presidente de Geração Centralizada da ABSOLAR, Anderson Concon, a fonte solar é uma das melhores soluções para a expansão da capacidade de geração de energia elétrica renovável do Brasil, especialmente neste período crítico de crise hídrica, nova bandeira tarifária e importação de energia. “Infelizmente, a fonte solar, que é a mais competitiva para os cidadãos, ficou muito aquém das necessidades do País, de diversificação da matriz a partir de fontes mais competitivas e acessíveis à população”, comenta.

“Com a versatilidade e agilidade da tecnologia solar, uma usina fotovoltaica de grande porte fica operacional em menos de 18 meses, desde o leilão até o início da geração de energia elétrica. A solar é reconhecidamente campeã na rapidez de novas usinas de geração”, comenta. “Por isso, se os leilões cancelados no passado recente tivessem contratado energia solar, o cenário atual estaria menos crítico”, avalia.

Segundo a entidade, a potência instalada das grandes usinas solares fotovoltaicas conectadas ao Sistema Interligado Nacional (SIN) já ultrapassou a soma das usinas termelétricas fósseis à carvão mineral. De acordo com mapeamento, são 3,8 GW de potência instalada da fonte solar nas grandes usinas, ante um total de 3,6 GW de termelétricas movidas a carvão mineral. Desde 2012, as grandes usinas solares já trouxeram ao Brasil mais de R$ 20,8 bilhões em novos investimentos e geraram mais de 114 mil empregos acumulados, além de proporcionarem uma arrecadação de R$ 6,3 bilhões aos cofres públicos.

Em 2019, a solar foi a fonte mais competitiva entre as renováveis nos dois LEN A-4 e A-6, com preços-médios abaixo dos US$ 21,00/MWh. Em julho de 2021, repetiu o feito nos LEN A-3 e A-4, com os menores preços-médios dos dois leilões, abaixo dos US$ 26,00/MWh. No leilão A-5 de 2021, realizado no último dia 30 de setembro, a fonte solar fotovoltaica apresentou o segundo menor preço-médio com US$ 30,90/MWh. Com isso, a solar segue como uma das mais fontes mais competitivas do Brasil. Hoje, no PCS, a fonte solar fotovoltaica apresentou o preço mais baixo das fontes contratadas, com preço-médio de US$ 60,43/MWh, o que corresponde a aproximadamente 22,1% do preço-médio das negociações realizadas nesta segunda-feira.

Para Sauaia, a situação crítica de escassez hídrica, com elevados reajustes tarifários na conta de luz, reforça o papel estratégico da energia solar como parte da solução para diversificar e fortalecer o suprimento de eletricidade no País, fundamental para a retomada do crescimento econômico nacional.

“As grandes usinas solares geram eletricidade a preços até dez vezes menores do que as termelétricas fósseis emergenciais ou a energia elétrica importada de países vizinhos atualmente, duas das principais responsáveis pelo aumento tarifário sobre os consumidores”, esclarece. “Diante da crise e da nova bandeira de escassez hídrica é fundamental que o Governo Federal acelere a energia solar no Brasil, para diversificar a matriz elétrica e baratear a energia para a população e os setores produtivos”, acrescenta.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.