Informação, Inovação e Inspiração para a Era da Indústria Conectada foi o tema central da 6ª edição AUTODESK UNIVERSITY BRASIL 2016

516

Mercado

diego-auto-desk
AU 2016, platéia atenta ao mundo da IoT. Créditos: AU Brasil.

Setembro, 2016 – Maior evento da companhia na América do Sul, o AU Brasil 2016, apresentou para profissionais, estudantes e empresários de todo o país, novas ferramentas tecnológicas de design, arquitetura e engenharia que estão revolucionando o mercado mundial da manufatura, mídia e internet das coisas (IoT), em especial, no mercado brasileiro. De acordo com a AutoDesk, o Brasil representa o segundo maior mercado comercial para a empresa, depois dos EUA.

A AutoDesk que tem o propósito de criar e desenvolver softwares acessíveis em diversos níveis profissionais, seja na área da indústria, saúde, entretenimento e educação facilitando o uso dessas tecnologias nos mais variados ambientes de trabalho, tem feito dessas ferramentas um instrumento transformador, na busca de mundo melhor para as pessoas. São inovações, soluções e práticas acessíveis como o movimento Maker Faire, evento espontâneo, criativo e inovador, que a empresa apoia, assim como, a criação de FabLabs, que tem gerado muitas produções novas e interessantes em várias regiões do planeta.

denise
Denise Schindler. Créditos: AU Brasil

A atleta Paralímpica, alemã, Denise Schindler, que competiu no Para-Ciclismo Rio 2016, com uma perna projetada em 3D, após parceria entre a Autodesk e a própria foi um exemplo do que se pode ter algo com mais precisão. Os detalhes da fabricação dessa prótese chamou atenção: a rapidez da fabricação da perna, (em cinco dias) e o preço, um quarto mais barato do que o preço normal (R$ 90 mil) e, a acessibilidade da atleta na competição, muito mais ágil.

Para Diego Tamburini, Estrategista de Manufatura e IoT da Autodesk buscar soluções  tecnológicas para facilitar a vida das pessoas é essencial no dia a dia da companhia, comenta: “Nossa expertise em criar e produzir softwares, de fácil soluções para o mundo da manufatura nos gabaritou como uma companhia que atua em vários setores. Somos líderes em Itools(softwares) para designer de mecânica – automóveis, construção e utilities”, disse o executivo.  

Outro caso, este no Brasil, São Paulo, é o caso do Estúdio Criativo Bolha, que utiliza o Fusion 360º para projetar e integrar elementos físicos e digitais interativos nos projetos que desenvolve para setores, automotivo, saúde, beleza, alimentos, bebidas, varejo e educação.

diego-fala
Diego Tamburini, Estrategista de Manufatura e IoT da Autodesk. Créditos: AU Brasil

Em relação ao Fusion 360º, a companhia tem tido muito sucesso com este software, que é um programa de desenvolvimento de produto. Diego destaca:

“O Fusion 360º foi lançado para o desenho mecânico. Assim, o desenho mecânico poderia acontecer, potencialmente, em companhias que estão desenvolvendo produtos para construção e outros setores da indústria. O Fusion 360º é um exemplo que está sendo muito utilizado no mercado. Tem sido usado, como o 3D, até mesmo como produção e capacitação de próteses para pessoas andarem”, finalizou, Diego Tamburini.

Aproveitando o AU 2016, Cristina Randazzo, Diretora de Vendas Técnica BIM para América Latina da Autodesk respondeu duas perguntas do Jornal da Construção Civil.

JCC- Conte um pouco da Tecnologia Bim para nós?

Cristina Randazzo – Bom, o BIM é um processo e a tecnologia são os softwares que permitem realizar esses processos, seja na Manufatura, Indústria, Educação e na Mídia entre outros utilities. No Brasil e em toda América Latina, antes de tudo, o BIM é um processo de uma forma geral consolidado. No nosso país, temos alguns estados com um nível interessante de adoção, em especial, São Paulo e Rio, que utilizam para projetos de infraestrutura. Já na região nordeste, temos alguns estados que estão reconhecendo e se interessando cada vez mais pela aplicabilidade do BIM, na utilização da ferramenta em seus projetos.

Um destaque importante, no Brasil, o governo federal já utiliza em vários setores o BIM e no Chile, a presidente Michelle Bachelet, decidiu contratar projetos em BIM. Uma iniciativa desta magnitude é muito importante na América Latina. Já vimos em mercados maduros, como do Reino Unido e Singapura a aplicabilidade desses processos.

JCC – O BIM para a Construção, o que mais podemos esperar?

Cristian Randazzo – Nossa área de investimentos está concentrada no setor de construção. Hoje, nós temos uma nova plataforma muito mais simples que se chama BIM 360º, essa nova tecnologia permite acesso de soluções nas nuvens. Isto facilita para as construtoras, porque, elas poderão acessar seus projetos de qualquer lugar, através de seu dispositivo móvel, como tablet, celular e smartfhone e até com óculos de realidade aumentada (3D). Antes, o acesso aos projetos era feito por um desktop.

Outro investimento da Autodesk são os simuladores de projetos, que permite você fazer projetos melhores, com mais qualidade inclusive com estudos de diversos cenários e ambientes, verificando os prós e o contra de cada projeto.

 

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.