Gigante de mineração BHP será processada no Reino Unido por desastre de Mariana

250

Julho, 2020 – A audiência do caso de ação coletiva contra a BHP por sua “responsabilidade final” pelo desastre da barragem de Mariana em 2015, que matou 19 pessoas,  deixou centenas de desabrigados e causou extensos danos ambientais, começará em Manchester, Inglaterra, em 22 de julho.

A empresa anglo-australiana BHP, uma das controladoras da Samarco, será processada por danos estimados em  £ 5 bilhões, o equivalente a R$ 33 bilhões. A ação coletiva é movida por mais de 200.000 indivíduos, 25 municípios, 530 empresas, uma arquidiocese católica e membros da comunidade indígena Krenak. A ação coletiva é apresentada em nome dos reclamantes pelo escritório de advocacia internacional PGMBM.

A audiência ouvirá argumentos sobre se o caso contra a BHP, que tem sede na Inglaterra e na Austrália, pode ser julgado por um tribunal inglês. Se o caso for julgado na Inglaterra, será o primeiro caso legal de uma grande catástrofe ambiental do Brasil ouvida nos tribunais ingleses.

Os demandantes argumentam que:

  • A BHP ignorou deliberadamente avisos de especialistas sobre a capacidade da barragem.
  • Como co-proprietária, a BHP é, portanto, “em última instância” responsável pelo colapso da barragem.
  • A liberação do lixo tóxico causou o pior desastre ambiental da história do Brasil, impactando centenas de milhares de pessoas.

Segundo Mario Antonio Coelho, prefeito de Barra Longa, município de 6.000 habitantes que foi severamente impactado pelo colapso da barragem, “a decisão de apresentar a reivindicação na Inglaterra se deve à falta de resposta da justiça no Brasil, do 12º Tribunal Federal ou em qualquer outro lugar ”.

Tom Goodhead, sócio-gerente do escritório de advocacia PGMBM, disse: “As empresas públicas no topo da estrutura do grupo BHP, que deve assumir a responsabilidade final pelo desastre, até agora foram poupadas pela justiça brasileira.

“No entanto, a legislação ambiental brasileira tem um longo alcance e impõe estrita responsabilidade por danos ambientais e suas conseqüências mais amplas àqueles que são considerados responsáveis em última instância, diretamente ou via controle ou propriedade da entidade operacional.”

“Este caso está buscando oferecer um pouco de justiça para o impacto imediato e de longo prazo deste desastre nas vidas de milhares de pessoas que foram afetadas, nos meios de subsistência destruídos e no caos ambiental que foi causado”.

Pano de fundo do caso

Em 5 de novembro de 2015, a barragem de Fundão, perto de Mariana, no estado de Minas Gerais, entrou em colapso, provocando o pior desastre ambiental da história do Brasil – mais comumente referido como o desastre da barragem de Mariana.

A barragem foi usada para armazenar rejeitos de minério de ferro, um resíduo tóxico das operações de mineração da Samarco Mineração SA (Samarco) – uma empresa de propriedade da BHP através de uma subsidiária brasileira, ao lado da mineradora brasileira Vale SA.

A alegação afirma que a BHP é responsável pelo colapso. Alega-se que, através da Samarco, eles aumentaram repetidamente a produção de minério de ferro e o armazenamento dos rejeitos tóxicos, apesar dos fortes avisos de que isso comprometeria a segurança da barragem.

O colapso causou o derramamento de cerca de 50 milhões de metros cúbicos de rejeitos de minério de ferro no Rio Doce. O fluxo de lama tóxico resultante destruiu as cidades vizinhas de Bento Rodrigues e Paracatu de Baixo e percorreu quase 700 km de vias navegáveis até o Oceano Atlântico, causando estragos ambientais e contaminando a água em seu caminho.

Desde o colapso, vários processos criminais e civis foram iniciados no Brasil contra os diretores da Samarco, Samarco, Vale e a subsidiária brasileira através da qual a BHP detinha sua participação de cinquenta por cento na joint venture.

No entanto, os litígios relacionados a desastres ambientais no Brasil costumam ser extremamente ineficientes e as vítimas raramente recebem uma compensação adequada por parte dos tribunais brasileiros pelas perdas que sofreram, dentro de um prazo razoável. Isso é um dos motivos para que se leve o caso para os tribunais internacionais.

Na ação perante o tribunal de Manchester, o juiz ouvirá que a capacidade da barragem foi expandida repetidamente, aumentando sua altura. O PGMBM, em nome dos reclamantes, argumentará que os avisos à BHP de que isso representava riscos à segurança da barragem – incluindo avisos do engenheiro responsável pelo projeto, além das rachaduras que apareceram na barragem eram sinais precoces de liquefação e ruptura – foram desconsiderados antes do desastre.

À medida em que as inundações tóxicas avançavam rio abaixo, os municípios vizinhos de Mariana, Barra Longa, Rio Doce e Santa Cruz do Escalvado assistiram à destruição de pontes, estradas e outras instalações urbanas, casas, fábricas e estabelecimentos comerciais, igrejas históricas contendo artefatos de valor inestimável, terras agrícolas e vida selvagem.

Os rejeitos continuaram o fluxo até chegarem ao curso principal do próprio Rio Doce, deixando um rastro de destruição, poluindo o suprimento de água,  cortando o acesso à água limpa para centenas de milhares de pessoas, paralisando uma usina hidrelétrica, prejudicando seriamente um grande número de empresas privadas, danificando terras, edifícios, veículos, gado e outras propriedades, matando inúmeros peixes e destruindo ou danificando vastas áreas de habitat protegido, antes de finalmente chegar ao Oceano Atlântico.

O desastre causou danos a centenas de milhares de pessoas, mas o impacto em alguns dos povos indígenas protegidos que vivem ao longo do curso do rio foi catastrófico.

O povo Krenak, que vive em uma reserva protegida perto de Resplendor, tem uma conexão cultural e psicológica com o Rio Doce, que eles chamam de Uatu, um guardião espiritual. Com a chegada da onda de rejeitos ao trecho do Rio Doce, que passa pela reserva indígena, e a massa de peixes mortos e moribundos que a acompanhavam, os Krenaks acreditavam que seu sagrado Uatu havia morrido.

Os danos à sua cultura e herança tradicionais têm sido profundos. Eles não podem mais nadar, tomar banho ou pescar no rio ou beber sua água. Além disso,  muitas das plantas que os Krenak coletavam e os animais que eles caçavam ficaram indisponíveis, causando um grave problema de segurança alimentar.

Fonte: Sherlock Communications

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.