Rio de Janeiro: Estado e União investem em obras de saneamento na Zona Oeste

169

Dezembro, 2021 – O governador Cláudio Castro e o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, anunciaram, nesta quarta-feira (29/12), investimentos para ampliar o sistema de esgotamento sanitário na Área de Planejamento 5 (AP-5), que abrange 22 bairros da Zona Oeste carioca. Ao todo, serão disponibilizados R$ 749,8 milhões, sendo R$ 712,3 milhões provenientes do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), com a contrapartida de outros R$ 37,5 milhões investidos pelo Governo do Rio. A medida irá beneficiar meio milhão de habitantes da região.

– O saneamento básico é um item que eleva a vida do cidadão para a dignidade e desafoga o sistema de saúde ao impactar diretamente na qualidade de vida da população. Por isso, este investimento, em parceria com o Ministério do Desenvolvimento Regional, de quase R$ 800 milhões é fundamental porque é uma forma de justiça social – afirmou Cláudio Castro.

O empreendimento contará com redes coletoras, estações elevatórias e de tratamento, além de ligações prediais na AP-5. Há previsão de obras em parte dos Sistemas Sarapuí, Campinho, Cação Vermelho e Rio do Ponto. Além disso, será feita uma estação de tratamento de esgoto em Campo Grande e a ampliação de duas estações de tratamento: Bangu e Sepetiba. Em Bangu, foi incluído, ainda, um sistema de secagem solar de iodo.

– Reafirmamos o compromisso do Governo Federal ao atacar a mais evidente tragédia ambiental que nosso país enfrenta, que é a falta de tratamento de esgoto e a falta de água tratada para milhões de brasileiros. O sucesso que o Rio de Janeiro representou com a etapa I do leilão dos serviços da Cedae mostra que o estado está conduzindo muito bem este processo. Isso significa que há segurança jurídica, o que faz com que outros investimentos possam vir a acontecer – disse o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho.

Atualmente, a rede de esgoto da região atende a 51% da população, índice que subirá a 63% (1,2 milhão de pessoas) com o investimento. Já o tratamento adequado, fornecido a 66%, subirá a 77% (cerca de 953 mil pessoas) com as obras de melhorias a serem implantadas.

Demanda por serviços de engenharia tende a crescer no Rio de Janeiro 

Na outra ponta da linha diversas empresas estão se preparando para atender o setor de saneamento que deve crescer muito no estado fluminense. A PME Máquinas, empresa especializadas em equipamentos para infraestrutura, como retroescavadeiras, pás carregadeiras entre outras soluções móveis para terraplanagem aguarda ansiosamente o inicio das demandas por obras.  De acordo com o diretor da PME filial Tanguá-Rio de Janeiro, Marcos Valério comenta sobre esse possível aquecimento econômico do Rio:

” Em relação ao mercado estamos prontos para atender o setor de saneamento, ainda mais com as possibilidades futuras pós  leilão da CEDAE. Nossos equipamentos são de primeira linha. No entanto, tudo isso são expectativas que queremos logo que se transforme em realidade. Afinal, são muitos projetos de infraestrutura prometidos pelo governo do Rio de Janeiro, acontecendo 2022 terá um novo ambiente de negócios no estado”, afirma Marcos.  

Fonte: Governo do Estado do Rio de Janeiro

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.