Eletrobras vende Celg D para Enel por R$ 2,187 bilhões

176

Oferta teve ágio de 28% e Eletrobras vai receber R$ 1,065 bi pela venda

Novembro, 2016 – A empresa italiana Enel comprou a distribuidora Celg D por R$ 2,187 bilhões, em lance único durante leilão realizado na manhã desta quarta feira (30), na Bolsa de Valores de São Paulo. O valor representa ágio de 28% sobre o preço mínimo de R$ 1,791 bilhão. A Eletrobras irá receber R$ 1,065 bilhão, o equivalente à sua participação acionária na distribuidora de energia, que atende 98,7% do estado de Goiás.

fachada-jpg-celg-jpg-ok
CELG D

Após o leilão, o presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Junior, concedeu entrevista coletiva ao lado do secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia, Paulo Pedrosa, do atual presidente da Celg D, Sinval Zaidan Gama, do presidente da Enel no Brasil, Carlo Zorzoli, da secretária da Fazenda de Goiás, Ana Carla Abrão, e do diretor da Aneel, André Pepitone, do Superintendente da Área de Desestatização do BNDES, Rodolfo Torres dos Santos, e do presidente da Celg-GT, José Fernando Navarrete.

“Vendemos um ativo muito importante, com uma possibilidade de valorização significativa. Tenho certeza de que eles fizeram uma excelente compra. Estamos com uma demonstração importante de confiança no país dada pela Enel, um player importante no mercado global”, disse Wilson Ferreira Junior.

O pagamento integral para a Eletrobras será realizado até o dia 30 de janeiro. “Os recursos vão ser usados no pagamento de dívidas caras e curtas e na manutenção de nosso plano de investimentos já definidos. Temos agora um recurso importante para iniciarmos o conjunto de medidas que apresentamos recentemente, no plano Desafio 21. Fico feliz que tenhamos iniciado este processo com tanto sucesso, já que temos outras seis distribuidoras a serem privatizadas no próximo ano”, reforçou Wilson Ferreira Junior.

“Os processos das outras privatizações da Eletrobras serão integralmente tocados por este governo. Temos muita confiança neste case de trabalho conjunto. Teremos muitos bons resultados nas próximas privatizações. Essas distribuidoras têm muito a oferecer em melhoria de qualidade, o que é bom para o consumidor do Brasil inteiro”, disse Paulo Pedrosa.

“Ofertamos o preço que achamos justo pelo ativo que estamos comprando, independentemente do número de propostas que haveria. Fizemos uma avaliação e ofertamos o que consideramos adequado”, disse Carlo Zorzoli, presidente da Enel no Brasil.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.