Digitalização e Inteligência Artificial na Construção Civil

0 296

Por Siemens AG

Outubro, 2019 – O que a digitalização e a inteligência artificial significam para o setor da construção? Um novo estudo da ILI CONSULTING AG e da Siemens fornece respostas para esta pergunta. O coautor Serhan Ili nos diz por que os modelos tradicionais de sucesso estão ameaçados, como as empresas podem ganhar dinheiro com dados e do que os edifícios inteligentes serão capazes no futuro.

Sr. Ili, como é o edifício do futuro, na sua opinião?

Dr. Serhan Ili: O edifício do futuro está interligado, comunica-se com as pessoas dentro dele e cria emoções positivas. Ele é seguro e eficiente e contribui para a proteção ambiental, por exemplo, melhorando a qualidade do ar. Este aspecto ambiental tem um tremendo potencial, especialmente nas megacidades. O edifício do futuro é inteligente e capaz de se comunicar com sistemas externos, incluindo a rede elétrica. Além disto, ele se ajusta às necessidades de seus usuários. Isso acontece automaticamente, até certo ponto, mas os usuários também têm a opção de ajustar as configurações de acordo com suas próprias preferências.

Dr. Serhan Ili é fundador e diretor executivo da ILI CONSULTING AG, com sede em Karlsruhe.

Que oportunidades a revolução digital está criando para o setor de construção? 

As oportunidades criadas pelas novas tecnologias são infinitas. Quando digo isso nos eventos, os membros da plateia olham para mim com espanto. Porém, tudo o que você empreende no setor da construção pode levar à inovação. Afinal de contas, quase nada mudou tanto nos últimos 100 anos quanto a forma como os edifícios são planejados e construídos. A digitalização cria enormes oportunidades para planejadores, arquitetos, investidores, técnicos de construção e gerentes de instalações ao longo de todo o ciclo de vida de um edifício. Novos profissionais também se posicionarão ao longo desta cadeia de valor e explorarão novos mercados.

No estudo, você critica as empresas que veem a digitalização como uma oportunidade para obter ganhos de eficiência. O que há de errado com isso?

Um foco excessivamente forte nos ganhos de eficiência desvia a atenção do que é realmente importante: criar uma vantagem competitiva genuína. Contra o cenário da transformação digital, as empresas devem estar dispostas a repensar seus modelos de negócios e romper com eles para que possam descobrir novas perspectivas e maiores vantagens. A digitalização é uma arma poderosa: Ela não deve ser exercida apenas com o objetivo de reduzir custos ou tornar-se mais eficiente ou produtivo.

A revolução digital é tão abrangente que é difícil entender tudo. Em que os profissionais do setor da construção devem se concentrar?

Tendências disruptivas, como a digitalização e a inteligência artificial, sempre geram certo desconforto. Ainda é cedo para desenvolver uma agenda abrangente para digitalização e inteligência artificial para empresas de construção e de imóveis. No entanto, estes protagonistas não devem permanecer inativos; em vez disto, eles devem tentar moldar ativamente seu papel em harmonia com os edifícios inteligentes do futuro. Isto funciona melhor quando eles buscam inovação: As empresas precisam parar de gerenciar o status quo. Um ponto de partida potencial é adquirir uma visão geral das tecnologias e dos produtos que já estão disponíveis no mercado. Eles estão interligados o bastante? Eles tornam possível alimentar dados e informações para uma plataforma, na qual podem gerar valor agregado? Como não será mais possível para uma única empresa oferecer tudo, as empresas devem fornecer um ecossistema em que outros profissionais possam participar.

 

As empresas devem aprender a coletar e processar dados e convertê-los em conhecimento digital.

O setor não é considerado particularmente inovador. Como estes profissionais devem proceder?

É certo que o big data, a inteligência artificial e a análise preventiva se tornarão, em breve, aspectos integrais deste setor. As empresas devem aprender a coletar e processar dados e convertê-los em conhecimento digital. É assim que elas podem criar inteligência digital, o que abrirá novos fluxos de receita, levará a novos relacionamentos de negócios e possibilitará ganhos de produtividade. Para que isto aconteça, as empresas do setor de construção precisam criar interfaces digitais com os usuários — os chamados pontos de contato — que oferecem benefícios racionais ou subjetivos e são de livre acesso. Estes pontos de contato permitirão que os usuários troquem seus dados por um valor agregado.

Você pode citar um exemplo?

No futuro, as empresas imobiliárias ganharão dinheiro não apenas com alugueis, mas também com dados. Isto pode ser o fluxo de pessoas em um edifício e, ao analisar estes fluxos, pode-se determinar coisas como os quartos que precisam ser limpos e aqueles que não precisam, porque ninguém esteve nesses quartos. Da mesma forma, os dados digitais podem criar muitas outras oportunidades para geração de receita.

A digitalização também está associada a riscos, incluindo a cibercriminalidade. Como as empresas devem lidar com estes riscos?

Como consultor externo, estou frequentemente envolvido em discussões sobre risco. Frequentemente, argumentos altamente criativos são elaborados de uma forma que consome muito tempo e são alimentados temores que impedem a introdução de futuras tecnologias e modelos de negócios. Seria melhor utilizar esta energia para encontrar soluções, em vez de bloquear o progresso. Na primeira etapa, você precisa considerar o potencial das novas ideias. Você só pode combater os riscos quando se concentra no futuro, em vez do status quo.

 

Os modelos de negócios do futuro irão operar em ecossistemas digitais que serão organizados em plataformas.

O estudo menciona repetidamente o tema “ecossistemas”. O que esse termo significa?

Os modelos de negócios do futuro irão operar em ecossistemas digitais que serão organizados em plataformas. Para se beneficiar desta tendência, as empresas precisam trabalhar em sua prontidão digital. O que isto significa exatamente é que as empresas devem aprender a coletar estrategicamente os dados e informações corretos com o auxílio de seus produtos e serviços. O conhecimento pode ser criado, por exemplo, ao colocar dados do edifício em uma plataforma digital e enriquecê-la. Eu gostaria de disponibilizar este conhecimento para terceiros — em troca de dinheiro, é claro. Talvez uma empresa de seguros que queira realizar cálculos de prêmio nesta base. Este é o contexto no qual estamos utilizando a palavra “ecossistema”. Quando você expande seu modelo de negócios, de repente começa a pensar em termos de plataformas digitais, interfaces e ecossistemas. Isto porque o conhecimento digital recém-criado pode ser convertido em novas proposições de valor e oferecido a protagonistas completamente novos no ecossistema.

Como os usuários se beneficiam dos edifícios inteligentes?

Vamos tomar o exemplo de um funcionário que dirige para o trabalho todos os dias. Mesmo no caminho, um edifício inteligente pode dizer onde ele pode estacionar e carregar seu veículo. Estando no lobby, ele saberá qual elevador chegará primeiro. E ele pode ter certeza de que seu escritório terá a temperatura ideal, a iluminação será adaptada às suas preferências e a qualidade do ar será ideal. Além disto, no caso de uma emergência, o planejamento dinâmico da rota de fuga o ajudará a sair do edifício com rapidez e segurança.

A gamificação é um método brilhante e eficaz para obter os dados e informações desejados dos usuários.

Que potencial você vê para as abordagens de gamificação no setor da construção?

A gamificação é um método brilhante e eficaz para obter os dados e informações desejados dos usuários. Pode-se até dizer isto como uma forma de persuadi-los. A gamificação também pode ser utilizada para criar um tipo de cocaína comportamental para os usuários, quanto aos produtos e serviços da sua empresa. Isso pode não parecer muito bom, mas descreve muito bem o objetivo desta abordagem. Os usuários devem ser repetidamente atraídos para utilizar os serviços e produtos digitais.

Você pode dar um exemplo específico?

No setor da construção, a gamificação pode ser utilizada na segurança. Os seguranças patrulharam as rotas que deveriam? Os elementos de jogos digitais podem ser colocados ao longo do percurso que devem ser coletados. Ou pode haver quebra-cabeças que precisam ser resolvidos ao longo do caminho. Isto motiva a equipe, porque ela pode acumular pontos e atingir níveis. Os pontos coletados também podem ser trocados por recursos cosméticos para embelezar os avatares digitais dos seguranças. É verdade que muitas pessoas ainda riem desta ideia. Porém, já estamos utilizando isto com sucesso, como um instrumento estratégico em muitas empresas em diferentes setores.

Fonte: Siemens AG, Ili Consulting AG

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.