DDSD prende nove pessoas em Operação Caça-Furto com Light, Ampla, Cedae e CEG em Duque de Caxias

341

Empresas se unem no combate ao furto de energia, gás e água

As concessionárias de serviços públicos declararam guerra aos “gatos” de luz, água e gás. Light, Ampla, CEG e Cedae realizaram, na terça (24/05), em Duque de Caxias, a Operação Caça-Furto de combate às irregularidades no consumo de serviços públicos, organizada pela Delegacia de Defesa dos Serviços Delegados (DDSD).

A DDSD, em ação com a Light, prendeu duas pessoas, donos de um restaurante e um bar, e realizou dois registros de ocorrência. A empresa de energia também detectou 103 irregularidades no consumo de energia na região.

Também foram registradas sete prisões por furto de energia e três registros de ocorrência nas localidades atendidas pela Ampla. Técnicos da distribuidora e peritos da DDSD constataram irregularidades na medição de energia de seis residências e em um Lava-Jato em Santa Cruz da Serra.

Light e Ampla destacam que o furto de energia afeta tanto quem faz “gato” como quem paga suas contas em dia: este tipo de crime amplia a probabilidade de interrupções no fornecimento, pois causa sobrecarga na rede elétrica, e faz com que as contas fiquem mais caras. Apenas para a Light, esses valores ficam 17% mais altos na área de concessão da empresa, devido ao repasse do que é furtado. As duas distribuidoras de energia reforçam ainda que os chamados “gatos de luz” põem em risco a população, principalmente as pessoas que manipulam a rede elétrica.

Técnicos da equipe de Segurança Empresarial da Cedae, junto com a DDSD, identificaram ligação clandestina de água de meia polegada de diâmetro que abastecia caixa de mil litros em imóvel residencial, na Rua Rio de Janeiro, 68, em Santa Cruz da Serra. O responsável pela residência foi conduzido à delegacia para prestar esclarecimentos. Ele ainda mantinha um lava a jato com quatro funcionários na calçada do imóvel. O serviço de limpeza dos veículos era feito com água de poço sem outorga do Instituto Estadual do Ambiente (Inea).

A Ceg realizou inspeções em clientes de estabelecimentos comerciais, mas não foram constatadas irregularidades.

Light

A Light mobilizou mais de 100 profissionais, que realizaram cerca de 600 visitas em residências, estabelecimentos comerciais e indústrias. A ideia foi combater, principalmente, os clientes que já cometeram, anteriormente, algum tipo de fraude, já que a Light realizou ações anteriores na cidade neste ano.

As equipes em campo também contaram com o apoio de um Centro de Inteligência, que detecta previamente todos os tipos de fraudadores e seleciona os locais onde os técnicos atuarão no combate.

Ampla

Na operação, as equipes da Ampla realizaram visitas a diversos endereços em Duque de Caxias que pertencem à sua região de atuação. De janeiro a abril de 2016, a empresa verificou um crescimento no número de casos de furto de energia em toda a sua área de concessão, formada por 66 municípios do Estado do Rio – um aumento de 18% nas prisões e de 10% nos boletins de ocorrência, em comparação com o mesmo período de 2015.

Para conscientizar a população sobre o perigo do furto de energia, a Ampla realiza diversos projetos sociais em comunidades. A distribuidora informa sobre o uso eficiente de energia elétrica e desenvolve programas para geração de emprego e renda, além de revisão gratuita de instalações elétricas de consumidores com menor poder aquisitivo. 

Ceg

A Ceg destacou uma equipe que avaliou a existência de fraude na rede de gás canalizado em Duque de Caixas. Além de ter o objetivo de recuperar perdas que acabam onerando o serviço para os demais clientes, o foco da empresa também está na segurança. A manipulação indevida da rede de gás pode gerar acidentes.

A Ceg mantem um canal permanente em seu site, no qual podem ser encaminhadas denúncias de situações suspeitas de fraude. O endereço é www.gasnaturralfenosa.com.br

Cedae

Duas equipes da Cedae participaram da operação no município e acompanharam as outras concessionárias e os policiais da DDSD para verificar ligações irregulares de água na rede da companhia.

A Cedae já realizou, nos últimos nove anos, mais de 10 mil operações para combater as ligações clandestinas, que resultaram em cerca de R$ 30 milhões em multas. Este é o resultado do trabalho dos técnicos da Assessoria de Segurança Empresarial da companhia em conjunto com policiais da DDSD e de demais delegacias especializadas, assim como operações em parceria com outras concessionárias de serviços públicos.

Os canais da companhia para denunciar as ligações clandestinas são: o site www.cedae.com.br ou o tel: 0800-282-1195.

Mais informações:

Assessoria de Imprensa – Light

(21) 2211-2909/2910/2907/2922/7795/2785

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.