Cresce vendas de equipamentos pesadas para construção: Link Belt amplia seu portfólio de produtos para atender novos clientes no Brasil e America Latina.

1.016

Por Severian Rocha

Dezembro, 2019 – Os ventos mudaram. O Ano de 2020 promete ser um ano positivo para o setor da infraestrutura no Brasil e na America Latina. Alguns sinais já são visivelmente notados, o mercado imobiliário voltou a construir (motivado pela queda dos juros), aceleração das Parecerias Públicos Privado (PPPs), abertura do mercado de saneamento, além das reformas aprovadas no âmbito do governo federal dão uma nova perspectiva de ânimo nas vendas de retroescavadeiras, escavadeiras, manipuladores telescópicos entre outros produtos da linha amarela.

Os cinco anos de retração nas vendas de equipamentos da linha amarela, estão ficando para trás, o que é um alívio para a cadeia da construção e outros segmentos produtivos. E para corroborar a melhoria do setor, o Jornal da Construção Civil conversou com Guilherme Borghi que já passou por grandes empresas, como a B&J Rocket e a Hoff Group, até chegar à gerência da Link-Belt, onde atua há sete anos.

Com vasta experiência no setor de equipamentos, o executivo tem propriedade para falar sobre diversos assuntos deste mercado como: parte técnica geral da escavadeira (hidráulica, mecânica, eletrônica), treinamentos, operação do equipamento, aplicação de produto, peças e serviços, frentes de trabalho (mineração, florestal, industrial, construção civil, entre outros), Dealers, controle de desempenho e performance do produto, telemetria e motores a diesel Isuzu, bem como estratégias e inteligência de mercados que integram a sua rotina. Confira abaixo:

JCC –  Conte um pouco das novidades da Link – Belt para o mercado brasileiro? E também para o mercado latino americano? Produtos?

Guilherme – A série X3E é o grande lançamento entre os modelos de equipamentos Link-Belt para atuarmos em diversos tipos de operação nos exigentes mercado brasileiro e latino americano, com os modelos 210X3E, 180 X3E e 360X3E e outros modelos chegando. Todos os equipamentos estão ainda mais produtivos, econômicos, duráveis e seguros do que a série anterior; além de mais tecnológicos e, ao mesmo tempo robustos, com sistema de rastreamento e telemetria RemoteCARE®, monitor frontal LCD de 7”, câmera de ré, cabine Rops/Fops, lança e braço reforçados (HD), cinco pontos de iluminação, fácil acesso aos pontos de manutenção, além de melhorias e reforços gerais da estrutura da escavadeira.

Em 2020, estaremos na Conexpo, em Las Vegas, a maior feira de equipamentos de construção da América do Norte, que acontecerá de 10 a 14 de março. Nossa participação será mais estratégica, pois, além do objetivo de crescer na América Latina, estamos prontos com equipamentos robustos, seguros, com alta tecnologia embarcada, contando com equipe e rede de distribuidores preparadas para atender o cliente.

A Link-Belt apresentará aos visitantes dois espaços: no estande de número N-12865, localizado no pavilhão interno “North Hall”, estarão ações voltadas à tecnologia e à realidade virtual. Já no estande localizado na área externa, de número F-5342, o “Festival Ground” serão exibido doze equipamentos, sendo um do modelo 130X3E, indicado para atender ao mercado da América Latina, que segue os padrões de economia de combustível com alta produção e proporciona mais segurança e controle ao operador.


JCC –  Em 2020 a Link – Belt olha com otimismo o mercado da Linha Amarela? No Brasil e na América Latina?

Guilherme – Nossa avaliação é de que o mercado brasileiro está otimista para o próximo ano. Acreditamos no aumento dos investimentos, sejam eles: públicos, privados ou estrangeiros para o crescimento nacional. Nosso otimismo para 2020 tem como referência os indicadores do Estudo Sobratema do Mercado Brasileiro de Equipamentos. As estimativas apontam para um aumento da ordem de 10% nas vendas de máquinas da linha amarela e de 13% para todo o setor de equipamentos para construção.

Quanto à América Latina em geral, também acreditamos que haverá aumento nos investimentos, em decorrência do grande déficit de infraestrutura e portanto, com uma permanente demanda, envolvendo rodovias, portos, ferrovias, entre outras obras de porte.


JCC –  Quais os principais diferenciais dos produtos da Link – Belt, se comparados aos concorrentes? São máquinas mais ágeis, econômicas e inteligentes (IoT/Inteligência Artificial/Realidade aumentada)?

Guilherme – Entre os principais diferenciais das escavadeiras Link-Belt estão: segurança, economia de combustível, conforto, alta produtividade e durabilidade. A série X3E é composta pelos modelos 210X3E, 180 X3E e 360X3E, que são a “EVOLUÇÃO” da série X2. Os novos equipamentos são reforçados em estrutura HD, com tecnologia para auxílio das tomadas de decisão do operador, que é parte fundamental do trabalho, possui altíssima produtividade com eficiência de consumo de combustível de até 14% melhor que a série anterior, assegurada pelas tecnologias eletrônica e hidráulica atreladas ao motor ISUZU.

A inteligência hidráulica é o grande diferencial, assim como a perfeita sinergia entre a máquina, o motor e esse sistema. O reforço auxiliar de potência automático, marcha lenta automática, sistema de giro otimizado e uma estrutura mais reforçada por exemplos, fazem com que a máquina esteja preparada para todo tipo de trabalho de forma mais econômica e mais ágil, por exemplo: e com ciclos de giro até 4% mais rápidos que a  produtiva X2, reforçando a eficiência operacional das escavadeiras.

A eletrônica embarcada também faz parte dos equipamentos, que possuem o sistema de telemetria RemoteCARE®. O sistema compila todas as informações sobre o desempenho da escavadeira em operação, com dados sobre o consumo de combustível, a temperatura do radiador, entre outros aspectos que influenciam no desempenho do equipamento. Isso é a tecnologia apoiando as decisões do operador.

Outra novidade é que, nos novos modelos, o operador conta com um painel de LCD com 7’’, na posição frontal para facilitar a visualização. No formato horizontal, o painel auxilia na visualização de indicadores como temperatura do motor e pressão do sistema, além de códigos de alerta, informando para qualquer não conformidade no processo protegendo assim a máquina e o motor.

Conhecidos pela segurança, os equipamentos da série X3E possuem câmera traseira para agregar mais visibilidade e reduzir os riscos de acidentes na movimentação, o que contribui para uma maior produtividade. Além disso, cinco pontos de iluminação foram agregados a fim de evitar acidentes e garantir essa produtividade a qualquer hora do trabalho. A bomba de reabastecimento é padrão na caixa de ferramentas do equipamento, facilitando o abastecimento em lugares remotos e a operação e reduzindo o risco de contaminação do combustível.

A cabine dos equipamentos também recebeu um reforço geral, aumentando a durabilidade, a segurança e garantindo a eficiência operacional. Com a nova configuração ela está 5% maior e 16% mais espaçosa no piso, se comparada à série X2, e com reforço geral na estrutura do equipamento. As cabines seguem os parâmetros internacionais de segurança, de acordo com as normas da ISO classificadas como ROPS, que significa Estrutura Protetora contra Capotamento, e FOPS, que significa Estrutura Com Proteção Contra Queda de Objetos. A cabine em conformidade com essas normas atua como uma célula de segurança do operador.

O conforto é outra característica da cabine, que conta com assento reclinável, flexível, com ajustes em diversos níveis para comodidade do operador. Integram as novidades, o sistema de ar-condicionado com 19.600 BTUs, um aumento de 8% na potência para climatização da cabine, uma entrada USB, porta-copos e um compartimento climatizado para bebidas.

Com alta confiabilidade e de fácil manutenção, os equipamentos contam com a conveniência de acesso aos pontos de serviço no nível do solo.

JCC – Muitas empresas no Brasil estão focando nas vendas e pós-venda.  Com isso percebemos uma maior interação entre fabricante, concessionários e clientes. Como a Link – Belt desenvolve suas ações neste setor de vendas?

Guilherme – Entre os destaques da Link-Belt está o atendimento personalizado, que varia de acordo com o tipo de operação, segmento e aplicação que o equipamento atende para cada cliente de forma especializada. Para tanto, a companhia investe na “educação” com um pacote de treinamentos para toda Rede de Distribuição sobre as escavadeiras, para garantir boas práticas de uma operação segura e a performance das máquinas. O uso de peças genuínas é um dos pontos de destaque quando se fala em orientação sobre os equipamentos. O uso de componentes alternativos danifica o equipamento e coloca em risco a segurança do operador. O uso do equipamento em condições originais diminui os custos com paradas desnecessárias para manutenção, contribui para a produtividade e a eficiência das operações exatamente como quando fora adquirido pelo proprietário.

Por fim, a companhia realiza diversos treinamentos junto aos distribuidores, abordando estratégias de vendas, serviços e manutenção, componentes do motor, elementos de hidráulica e eletrônica e os procedimentos para a entrega técnica.

Guilherme Borghi é formado em Gestão de Produção Industrial e Gestão Florestal, pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), bem como especializado em Estatística, pela Universidade de São Paulo (USP), e em Aperfeiçoamento em Gestão Estratégica, pela Fundação Getúlio Vargas.

JCC – O Finame ainda é a principal forma do cliente comprar um produto da Link-Belt ou a empresa possui outras formas de financiamento das máquinas?

Guilherme – Nós prezamos pela boa relação comercial com os distribuidores. Juntos, nós avaliamos o perfil de cada cliente na busca pelas melhores condições para viabilizar a venda. Para o melhor dimensionamento da escavadeira para cada tipo de operação, conte com nossos distribuidores

Fontes:

Sobretema https://sobratema.org.br/Programas/300524

Site: www.linkbelt.com 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.