COVID-19: Setor Cerâmico Brasileiro ativa Alerta Vermelho ao se reunir com Ministro de Minas e Energia

392

 

O encontro foi liderado pela Associação dos Grandes Consumidores Industriais de Energia e de Consumidores Livres (ABRACE), que capitaneou mais de sessenta entidades, incluindo a Associação Nacional dos Fabricantes de Cerâmica para Revestimentos, Louças Sanitárias e Congêneres (ANFACER) e Associação Paulista das Cerâmicas de Revestimento (ASPACER) para discutir pautas relevantes em torno do setor elétrico.

Com o objetivo de propor que o ônus da COVID-19 não recaia apenas para as empresas e envolva, também, outros agentes do segmento, as entidades apresentaram ao ministro Bento Alburquerque, de Minas e Energia, e a diretoria da ANEEL, uma Carta Aberta em nome das grandes empresas consumidoras de energia elétrica para que o governo reavalie as formas de cobrança da conta energética das indústrias.

“A indústria representa importante parte dos grandes consumidores de energia e será altamente relevante na retomada da economia pós COVID-19. Por isso, não pode, neste momento, absorver esse grande custo sozinha”, afirma Manfredo Gouvêa Júnior, presidente do Conselho de Administração da ANFACER.

O documento, intitulado “Carta Aberta – Energia Para Sair da Crise”, ainda cita que o setor elétrico não pode ser blindado da pandemia e possuir tratamento de “isolamento econômico”. Ressalta também que os custos de política pública devem ser assumidos pelo Governo.

Para Luís Fernando Quilici, diretor de Relações Institucionais e Governamentais da ASPACER, “o impacto das medidas atualmente propostas pode chegar a um aumento de mais de 20% nas tarifas de energia, causando reflexos na inflação e consequências de grande prejuízo para a economia no longo prazo”.

Para finalizar, os representantes das associações reforçam que, nesse momento, os altos valores da energia podem comprometer a competitividade da indústria nacional, a manutenção de empregos e a recuperação econômica do país. Na quinta-feira, 23 de abril, dois encontros remotos foram realizados, um com toda a diretoria da ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica) e outro com Rodrigo Limp, Secretário de Energia Elétrica do Ministério de Minas e Energia.

Além do setor cerâmico, participaram das reuniões representantes dos segmentos de aço, química, plástico, vidro, têxtil, cerveja e automotivo. Da Indústria Cerâmica participaram Manfredo Gouvêa Júnior, presidente do Conselho de Administração da ANFACER; o vice-presidente Benjamim Ferreira Neto e o CEO da entidade, Maurício Borges, bem como Luís Fernando Quilici e Leonardo Sanchez, representando o presidente do Conselho Administrativo da ASPACER, Valmir Carnevali.

Fonte: Assessoria de Imprensa

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.