Construtoras e incorporadoras de Minas Gerais recebem capacitação para implantar tecnologia BIM nesta quinta-feira

0 151

Especialistas e setor produtivo vão debater, durante workshop no dia 23 de março em Belo Horizonte, as vantagens da implementação do BIM, sistema que está mudando a forma de construir com mais produtividade e redução de custos

Março, 2017 – A Comissão de Materiais, Tecnologia, Qualidade e Produtividade (Comat) da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) vai realizar, no dia 23 de março, das 8h às 12h, um workshop, na sede da Federação das Indústria do Estado de Minas Gerais (Fiemg), de implementação do BIM (Building Information Modeling – Modelagem de Informações de Construção). A tecnologia é uma novidade na gestão de projetos de edificação e está mudando a forma de construir no concorrido mercado da construção civil.

O BIM é um conjunto de processos e tecnologias baseadas em objetos 3D, que, combinados, geram uma metodologia aplicável a todo o ciclo de vida de um empreendimento, desde a concepção de uma ideia de edificação ou instalação passando pelo desenvolvimento do projeto, construção, uso, operação e manutenção. A tecnologia tem rompido paradigmas de produtividade, elevando o patamar de precisão e confiabilidade dos projetos.

Promovido pela CBIC e pelo Senai Nacional, em parceria com o Sindicato da Indústria da Construção no Estado de Minas Gerais (Sinduscon-MG), o evento terá a participação de lideranças empresariais de entidades associadas, sindicatos da construção e especialistas para debater sobre as vantagens da utilização dos processos BIM. Os participantes poderão levantar dúvidas, trocar experiências e terão a oportunidade de conhecer os exemplos de sucesso de gestão de projetos apresentados.

Estão confirmadas as presenças do diretor técnico da Sinco Engenharia e líder do Projeto Disseminação do BIM, Paulo Rogério Luongo Sanches; do consultor BIM Rogério Suzuki; e dos representantes das empresas desenvolvedoras do BIM, que vão expor as diversas possibilidades de uso da tecnologia no mercado da construção.

O presidente da Comat, Dionyzio Antonio Klavdianos, defende, inclusive, a importância do BIM como estratégia nacional. “A CBIC entende que a implementação do BIM, enquanto sistema de gestão, deve ser adotado como política nacional para contratação de obras e serviços pelo poder público, o que acarretará ganhos em agilidade, transparência e economia”, afirma Klavdianos.

“Os benefícios com o uso do BIM são diretos: ganho de produtividade, redução de custos, precisão de projeções e prazos. Há melhoria de qualidade, registros de todos os pontos que foram surgindo ao longo do projeto tanto em informações do que fazer, quanto as informações do que não ficou como deveria e o que já foi resolvido, sem precisar ficar usando memória. Isso fica registrado de forma fotográfica, documentada”, ressalta o executivo da Camargo Corrêa Desenvolvimento Imobiliário (CCDI), Luiz Augusto Iervolino Pereira, que liderou o processo de implantação do BIM e a primeira premiação BIM conferida à CCDI pelo Sinduscon-SP.

“Estamos vivenciando no mundo inteiro o avanço da Modelagem da Informação da Construção, que consiste em uma nova maneira de se projetar, construir e manter edificações e que gera benefícios para todos os envolvidos”, disse o consultor em BIM, Rogério Suzuki. Para ele, o ritmo da adoção aumenta a cada dia no mercado, mas a grande maioria não iniciou as mudanças. “Para a CBIC, BIM é estratégico para a melhoria da cadeia produtiva como um todo. Pretende-se introduzir os conceitos básicos e discutir maneiras práticas e caminhos de viabilizar a implantação dessa metodologia na realidade de todos os participantes”, destacou.

Ganhos de produtividade, redução de custos, precisão na gestão de projetos e prazos e melhoria de qualidade. Requisitos cada vez mais valorizados no disputado mercado da construção civil brasileira. Com a modernização do segmento e a perspectiva de mudanças, a CBIC entende obrigatório o envolvimento das entidades do setor para dinamização do processo de difusão dessa tecnologia.

Para o vice-presidente da Área de Materiais, Tecnologia e Meio Ambiente do Sinduscon-MG, Eduardo Henrique Moreira, o setor da Construção vem incorporando diversas tecnologias para compatibilizar e tornar mais eficientes os sistemas construtivos, aumentando a qualidade e o desempenho das edificações e obras. Para ele, o Building Information Modeling é essencial, pois a plataforma possibilita, entre as diversas funcionalidades, um planejamento, acompanhamento e controle mais precisos. “Essa iniciativa de road show da Comat/CBIC se torna ainda mais importante porque vai disseminar o conhecimento e as vantagens do BIM por todo o país, induzindo e facilitando a contratação de projetos, serviços e profissionais familiarizados com a ferramenta”, disse o vice-presidente do Sinduscon-MG.

Como parte do processo de adesão à tecnologia inovadora, a CBIC, no ano passado, tornou disponível à cadeia produtiva a “Coletânea Implementação do BIM para Construtoras e Incorporadoras (http://cbic.org.br/bim/), lançada no âmbito COMAT/CBIC. Assinada por Wilton Silva Catelani, a publicação sobre o Building Information Modeling (BIM) é um passo a passo completo para adesão à revolução que está mudando a forma de construir. Dividida em cinco volumes – Fundamentos BIM, Implementação BIM, Colaboração e Integração BIM, Fluxos de Trabalho BIM e Formas de Contratação BIM-, a coletânea foi precedida da publicação 10 Motivos para evoluir com o BIM. Essas ações estão contidas no projeto de disseminação do BIM, iniciativa CBIC/Senai Nacional.

O líder do Projeto de Disseminação do BIM e diretor técnico da Sinco Engenharia, Paulo Rogério, Luongo Sanches, diz que o road show de capacitação BIM tem por objetivo fazer que “as pessoas que compareçam ao evento saiam conhecendo a ferramenta e tendo caminhos concretos de sua utilização, podendo se quiserem implantar imediatamente a ferramenta em suas empresas. Essa é a missão da Comat/ CBIC: socializar a informação e melhorar tecnicamente as empresas do setor”.

BIM: a revolução no setor da construção

O BIM não é uma tecnologia nova, embora o termo empregado seja ainda relativamente pouco conhecido. Tem sido utilizado em diversos segmentos em que a complexidade logística (ex: uma montagem em alto-mar – offshore, na indústria automobilística ou de aviação), exige maior investimento e precisão no desenvolvimento dos projetos.

Diferentes modelos BIM podem ser desenvolvidos. No BIM, os objetos são paramétricos e inteligentes, detêm informações sobre si próprios, sobre seu relacionamento com outros objetos e oferecem ao usuário a possibilidade da alteração das medidas, dentre outras possibilidades. Os modelos 3D BIM de edificações e instalações são desenvolvidos a partir de objetos virtuais, que correspondem aos componentes previstos e necessários para a futura construção real.

Além das informações que já vêm ‘integradas’ aos objetos virtuais BIM, também é possível inserir e gravar novas informações nos próprios objetos, que funcionam como contêineres de dados ou pastas de arquivo de informações.

Dessa maneira, os softwares BIM operam como grandes gerenciadores de bancos de dados, e oferecem aos usuários diversas formas da visualização e organização dos dados e informações que compõem um modelo BIM; sejam imagens tridimensionais que o usuário pode manipular, girar, dar zoom, ligar e desligar partes e tipos de componentes; sejam tabelas, por exemplo, das quantidades de componentes inseridos num modelo. Há ainda a possibilidade de simulação, por exemplo, de eficiência energética da edificação que está sendo concebida.

Os softwares BIM específicos para o desenvolvimento de modelos autorais (de arquitetura, estruturas, instalações etc.) já vêm com bibliotecas de objetos que, além de conterem todas as informações sobre sua geometria (tamanhos, espessuras etc.), também podem discriminar materiais, o atendimento de Normas e outras informações importantes para a especificação e para o desempenho da construção.

Parceria com o Chile

A construção civil, mesmo sendo uma indústria reconhecidamente tradicionalista, tem aderido fortemente ao BIM em diversas partes do mundo. São diversas as iniciativas conhecidas.

Algumas com abrangência de política estratégica nacional, como no caso do Reino Unido e de Cingapura, onde todas as obras financiadas com dinheiro público são, necessariamente, desenvolvidas com o uso da plataforma BIM.

No ano passado o presidente da CBIC, José Carlos Martins, e o líder do Building Information Modeling (BIM), da Comat/CBIC, Paulo Sanches, estiveram em Santiago do Chile, com representantes do governo chileno e empresários com a finalidade de reunir experiências bem sucedidas de implementação do BIM. Em 2016, o governo brasileiro assinou com o Reino Unido um termo de cooperação para implantação e disseminação do BIM no segmento produtivo nacional. Ainda não existem estatísticas oficiais no Brasil sobre o uso da tecnologia BIM. Entretanto, vários setores já aderiam à inovação de forma silenciosa, segundo o consultor Wilton Catelani.

A capacitação de incentivo ao uso do BIM (Building Information Modeling) será disseminada em road show, também, nas cidades de Recife (27/03), Fortaleza (30/03) e Manaus (06/04).

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.