Com alta letalidade entre a população pobre e negra, seminário debate luta antirracista e mobilidade urbana

266

Maio, 2021 – O período de pandemia de Covid-19 no Brasil, entre abril de 2020 e março de 2021, mostra que motoristas e cobradores de ônibus estão no topo do ranking de desligamentos trabalhistas causados por mortes, segundo levantamento do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério da Economia. Já um estudo do Núcleo de Operações e Inteligência em Saúde, da PUC-Rio, demonstra que 55% da população negra morre por covid, enquanto entre brancos, a estimativa é de 38%. Para debater sobre o tema que ainda é pouco discutido, a Fundação Rosa Luxemburgo e a editora Autonomia Literária promovem um ciclo de lives sobre a luta antirracista com foco na questão da mobilidade urbana. Os encontros acontecerão aos sábados durante os meses de maio e junho pelo canal do Youtube da editora.

“Durante a pandemia ficou ainda mais nítido que o racismo sustenta as estruturas de mobilidade. Enquanto a única saída apontada por especialista para se proteger da morte pelo COVID era ficar em casa, sem garantias de trabalho, pessoas negras, pobres das periferias seguiram colocando suas vidas em risco para não morrer pela epidemia da fome”, diz Rafaela Albergaria, coorganizadora do livro Mobilidade Antirracista e mediadora do evento.

Rafaela sofreu as consequências da ineficiência e descaso no sistema de transporte coletivo ao perder a prima, Joana Bonifácio, morta aos 19 anos ao cair nos trilhos da estação de trem Coelho da Rocha (RJ). A partir desse fato, a pesquisadora e sua família iniciaram uma mobilização para debater a recorrência desse tipo de ocorrência e a necessidade de repensar mobilidade enquanto direito de ir e vir com segurança.

Durante o seminário, serão debatidos os temas “Mobilidade e feminismo antirracista”, “A que custo esse direito? O valor da mobilidade antirracista”, “Antirracismo é lutar por se mover-Agenda Pelo Desencarceramento” e “Segregação e Extermínio”. A escolha dos assuntos partiu da abordagem do livro Mobilidade Antirracista, organizado por Daniel Santini, Rafaela Albergaria e Paíque Duques Santarém, e publicado pela editora Autonomia Literária e fundação Rosa Luxemburgo. A publicação retrata um dos aspectos mais importantes e menos discutidos do racismo: a espacialidade. E conta com textos de Silvio Luiz de Almeida, Talíria Petrone, BNegão, Nego Bispo, Lucas Koka e outros pensadores negros.

Acompanhe a programação completa pelo site: https://rosalux.org.br/mobilidade-e-feminismo-antirracista/.

Assista pelo canal do Youtube da editora Autonomia Literária.

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.