CASE inova com lançamentos de seis modelos de escavadeiras hidráulicas para construção

0 123

Máquinas e Equipamentos

Por Pablo Marlon e Severian Rocha

Inovar no setor de construção tem sido a lógica atual, e no mercado de máquinas pesadas várias empresas estão seguindo este caminho lançando produtos mais duráveis, com baixo consumo, acessíveis e de fácil manutenção para o cliente em geral.

coletiva_case-275-regina-ok
Roque Reis, Vice – Presidente da CASE America Latina(esquerda), Gustavo Avelar,CEO da Brasif Máquinas(centro) e Carlos França, Diretor de Marketing da CASE(direita). Créditos: Pedro Nicoli

Pensando nessa lógica de engenharia mercadológica atuante e eficiente, a CASE Construcion Equipament, umas das marcas líderes mundiais do setor de máquinas de construção e infraestrutura, investiu R$ 36, 5 milhões em novas máquinas, e, nacionalizou seis novos modelos de escavadeiras hidráulicas para o Brasil.

Segundo Roque Reis, Vice – Presidente da CASE para a América Latina no que se diz respeito às principais linhas de financiamento do BNDES, o FINAME, FINAME Agrícola e o Pronamp, que a empresa passou a ter acesso e que dá um impulso enorme e inúmeras vantagens a toda uma rede de fornecedores de componentes e equipamentos locais, diz:

“Para participarmos do Finame temos que ter no mínimo 60%, dos fornecedores domésticos. Lógico que quando o mercado começa a crescer você passa a justificar a compra desses componentes nacionais e consequentemente você nacionaliza esses componentes. E o mais importante de se ter fornecedores domésticos é a flexibilização dos componentes, ao contrário do fornecedor estrangeiro, que em relação ao fornecedor local, o tempo de entrega do produto seria de 01 ano e pouca flexibilidade de mudança. Já o fornecedor doméstico o prazo seria entre 03 ou 04 meses, é, quanto mais peças nacionais, mais fortalecimento do fornecedor local e mais flexibilidade nós temos” disse Roque Reis.  

coletiva
Coletiva de imprensa da CASE, na cidade de Belo Horizonte-MG. Créditos: JCC

Entre os modelos de destaque estão: CX 130 C, CX 180C, CX 220C série 2, Cx 240C Mass Excavator e CX 350C , todas equipadas com motores eletrônicos com certificação Tier III, melhor distribuição das bombas nos movimentos combinados e a tubulação das escavadeiras foi redimensionada para evitar o máximo de perdas de carga, aquecimento do óleo hidráulico e carga desnecessária ao sistema, o que aumentaria o consumo das máquinas.

Para Carlos França, Diretor de Marketing, o preço é muito relativo, se o cliente enxergar valor. Segundo França, a Case procura a todo o momento agregar valores aos equipamentos.

“Se o equipamento vai oferecer aquilo que ele espera que é: baixo consumo de combustível, maior disponibilidade, menos manutenção, – preventiva e corretiva -, mais trabalho, um rápido tempo de giro da lamina, o tempo retorno é maior a receita também”, acrescenta.

linhadeproducao_case-1-ok
Linha de produção da CASE. Créditos: Pedro Nicoli

Sobre o posicionamento de mercado, a Case oferta para seus clientes uma relação para o mundo real, uma vez que o slogan da organização é: “Nós somos especialistas de um mundo real”. E é com esse posicionamento que a cartela de clientes só aumenta. Os equipamentos da Case não são o mais baratos, mas os clientes terão a certeza de adquirirem um produto que virá com um cuidado especial por parte dos colaboradores da empresa. Ofertar atenção e assistência faz parte do dia-dia da venda executada. 

Outro ponto forte da CASE tem sido a sua rede de distribuidores de máquinas e equipamentos no país. Neste caso, citamos a Brasif Máquinas, parceiro estratégico da CASE, que é uns dos destaques na área de distribuição e fabricação de escavadeiras nacional, é, recentemente a empresa inaugurou uma nova loja em Jundiaí-SP, além de montar uma nova plataforma de atendimento para seus clientes em todo país.

De acordo com Gustavo Avelar, CEO da Brasif Máquinas o foco da empresa passou a ser suporte de pós de vendas a fim de que a empresa se torne um parceiro comercial provedor de soluções:

“A empresa está investindo em algumas áreas operacionais, como, segurança, custo operacional, produtividade e disponibilidade para melhor atender nossos clientes. Em linhas gerais fizemos reestruturação do departamento de serviços e suporte ao produto; treinamento técnico para a equipe de vendas e serviços; reestruturação da nossa área de peças, o que nos levou a ter um nível de 88% de atendimento de peças em 24 horas, sendo que na filial de Minas este número é de 92%”, finalizou o CEO da Brasif.    

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.