CASE e JMalucelli apostam na soja para fazer bons negócios na Expodireto 2017

0 159

As feiras agrícolas estão ganhando cada vez mais importância no calendário das fabricantes de máquinas de construção. O motivo é o crescimento contínuo das vendas para o agronegócio, que busca maior produtividade e desponta como um dos principais impulsionadores da retomada da economia.

CASE expodireto OK
CASE e JMalucelli apostam na Soja para fazer bons negócios. Créditos: Divulgação

Março, 2017 – Este ano, a Case Construction Equipment e sua concessionária para o sul do país, a JMalucelli Equipamentos, levam para a 18ª Expodireto Cotrijal, que acontece de 06 a 10 de março, em Não-Me-Toque, no Rio Grande do Sul, quatro modelos de equipamentos: a escavadeira hidráulica recém-lançada CX220C Série 2, a miniescavadeira CX27B, a carregadeira hidráulica 621D e a restroescavadeira 580N 4×4 cabinada.

Segundo o gerente da filial da concessionária gaúcha, José Claudino Thans Moreira, o objetivo da empresa é aumentar as vendas em relação ao ano passado, apostando no bom momento do agronegócio, em especial na safra recorde da soja na região.

A agricultura tem um grande impacto nas vendas de máquinas de construção no estado, onde a concessionária tem duas filiais: em Porto Alegre e Santa Maria. Das vendas da CASE no RS, 80% são para o setor, por meio de aquisição direta ou de prestadores de serviço. A média no Brasil é de 20%.

Utilização na agricultura – Com a mecanização da lavoura, as máquinas de construção também são cada vez mais necessárias nas fazendas e usinas, que buscam a sistematização da produção, garantindo maior eficácia na produção agrícola.

Motoniveladoras, pás-carregadeiras, escavadeiras hidráulicas, retroescavadeiras e tratores de esteiras são os responsáveis pelas operações de drenagem das áreas, construção de curvas de nível e abertura de valas e valetas. Além disso, tanto a retroescavadeira como as minicarregadeiras e as pás carregadeiras são bastante utilizadas na manutenção das fazendas e manuseio de insumos, da colheita e do bagaço da cana.

Lançamento novas escavadeiras – A CASE investiu R$ 36,5 milhões no lançamento e nacionalização de seis modelos de escavadeiras hidráulicas. Os equipamentos da nova Série C, que vão de 13 a 37 toneladas, estão sendo fabricados na unidade de Contagem (MG), aumentando em mais de 40% a produção local de modelos da marca.

Na Expodireto, a marca vai expor o modelo CX220C série 2, de 20 toneladas, utilizado na região de Não-Me-Toque principalmente na construção de açudes e represas para irrigação. No agronegócio em geral, a máquina também é utilizada na confecção de curva de nível e manutenção de estradas, com maior durabilidade e produtividade.

A nova série de escavadeiras ganhou lanças, braços e opções de caçambas heavy duty, para serviços pesados, que asseguram maior durabilidade desses implementos. O sistema hidráulico foi otimizado proporcionando melhor distribuição da vazão das bombas nos movimentos combinados.

A tubulação, por sua vez, foi redimensionada para evitar o máximo de perdas de carga, aquecimento do óleo hidráulico e carga desnecessária ao sistema, o que resultaria em maior consumo de combustível.

As escavadeiras são equipadas com motores eletrônicos com certificação Tier III. Tem rotação ligeiramente reduzida, também passaram por ajustes para melhor adaptação a cada condição operacional e ambiental. O sistema de injeção é menos sensível a combustível com alto teor de enxofre, possibilitando assim maior vida útil dos componentes.

Entre as inovações dos motores estão um novo regulador eletrônico que proporciona aumentos de potência correspondentes à exigência hidráulica. O torque e a rotação estão em sintonia com as oscilações de carga, reduzindo ligeiramente a rotação nos movimentos que não demandam potência, como abaixamento e fechamento do braço em vazio e aumentando o torque quando altas cargas são impostas.

Novas funções hidráulicas e no próprio motor, por exemplo, o sistema Shut Down programável, que desliga o motor se nenhum atuador for utilizado durante 3 minutos, também contribuíram para diminuir o consumo de combustível.

Esta função foi adicionada à função Auto Idle, que reduz a rotação do motor para marcha lenta quando não utilizado nenhum atuador durante cinco segundos. Já a função calibre ECO exibe em tempo real, em uma escala de dez, as fases do nível de economia de energia, permitindo que o operador monitore constantemente o consumo.

Todos estes ajustes asseguraram uma redução no consumo de combustível de 14% em média em relação à série anterior que já era considerada uma das de menor consumo do mercado.

Mais informações sobre a CNH industrial podem ser encontradas online em www.cnhind.com.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.