Casa nova: Estação brasileira na Antártica é inaugurada com soluções sustentáveis

0 184

Fevereiro, 2020 – A nova base da Marinha do Brasil na Antártica, a Estação Comandante Ferraz, acaba de ser inaugurada. O conjunto de edificações tem 4,5 mil metros quadrados e substitui as instalações perdidas em decorrência de um incêndio em 2012. O novo complexo foi idealizado com base nos princípios de eficiência energética e conforto térmico. O projeto de arquitetura foi elaborado pelo Estúdio 41, de Curitiba (PR), e contou com a consultoria da Petinelli na definição do conceito e na proposição das soluções sustentáveis.

Segundo o CEO da Petinelli, Guido Petinelli, o grande desafio em termos de sustentabilidade foi proporcionar o conforto térmico das instalações, por meio de sistemas eficientes, porém simples, de fácil manutenção, dada a hostilidade do ambiente antártico. “Geralmente, associa-se inovação à tecnologia. Nesse caso, pensar de forma inovadora significou ser criativo, mas buscar simplicidade. Trabalhar com soluções simples, de forma criativa, também é inovação. Essa é a arte do engenheiro”, argumenta.

Projeto Antártica. Foto: Marinha do Brasil

Dessa forma, atenção especial foi dada à vedação dos ambientes. “Num ambiente hostil como o antártico, naturalmente se pensa em isolamento térmico. Essa é uma solução importantíssima. A vedação entre os módulos e detalhamento das esquadrias, portas e janelas asseguram a estanqueidade da edificação”, explica Guido. Nesse sentido, a solução adotada na execução foi a implantação de estrutura elevada e envolvida por materiais isolantes que minimizam as perdas de calor para o meio ambiente.

Com exceção do bloco destinado ao abrigo das máquinas e sistemas de produção de energia, os outros dois blocos da estação têm a forma prismática oblonga e está sobre pilotis a cerca de 2,5 metros acima do solo. Essa configuração evita o acúmulo de neve e reduz a perda de calor para o meio ambiente, já que seu entorno está isolado termicamente.

Além disso, utilizou-se o princípio das sucessivas camadas de proteção térmica. Além da camada isolante exterior de 220 milímetros de espessura, há um espaço vazio entre essa e os módulos internos tipo contêiner que funciona como um buffer cuja temperatura será mantida a 10ºC e isolamento do interior dos módulos, totalizando três camadas.

Projeto Antártica. Foto: Marinha do Brasil

Eficiência energética e simplicidade foram determinantes para a escolha do sistema de calefação principal da estação e dos sistemas elétricos de baixo consumo, que compreendem iluminação a LED e motores de alto rendimento. Essa calefação é geração por um sistema de cogeração que recupera parte do calor dissipado para o ambiente, principalmente por meio do sistema de arrefecimento do motor e do calor proveniente dos gases de exaustão.

Os modais solar e eólico são compostos por 30 módulos fotovoltaicos e por 8 aerogeradores, priorizando a instalação de turbinas eólicas que já foram previamente comissionadas na Antártica para garantir a durabilidade e a performance do sistema. Um Sistema de Gestão Técnica Centralizada (SGTC) gerencia tanto a oferta, quanto a demanda da energia da edificação.

Fonte: Imprensa/Petinelli

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.