Brasil do sufoco: Custo de vida pode variar até 14% nas cidades brasileiras, aponta estudo da Mercer

Estudo "Custo de Vida Nacional" analisou 17 cidades do país; Porto Alegre tem o maior custo de vida na categoria "serviços domésticos", enquanto Rio de Janeiro lidera em "refeições fora de casa" na comparação com São Paulo

197
São Paulo, Junho de 2021 – O custo de vida nas cidades brasileiras pode variar até 14%, segundo a pesquisa “Custo de Vida Nacional” feita pela Mercer. O estudo analisou, em 17 cidades brasileiras, 10 categorias diferentes de serviços como cuidados pessoais, esportes e lazer, refeições em casa e fora de casa, roupas e calçados, serviços de utilidade pública, serviços domésticos, álcool/ tabaco, suprimentos domésticos e transporte. Na metodologia, que segue os rigorosos padrões globais da consultoria, cada categoria tem um peso diferente e, dentro do cálculo, a média ponderada de todas as categorias é comparada à média de São Paulo, cidade usada como referência.

O levantamento surgiu da demanda crescente das empresas, principalmente após a pandemia, para obter dados relativos ao poder de compra em diferentes cidades do país, que servem de base para elaboração ou equalização de pacotes de remuneração de profissionais transferidos e/ou contratados em outras regiões. O estudo também tem como inspiração a tradicional pesquisa “Custo de Vida Internacional” da Mercer, focada na população expatriada e realizada desde 1990.

“Para a realização da pesquisa nacional, “tropicalizamos” a cesta de produtos da nossa pesquisa global, mantendo as mesmas premissas, categorias e metodologia”, explica Inaê Machado, líder de Mobilidade Nacional e Internacional na Mercer Brasil. “Procuramos considerar uma abordagem justa, neutra e o mais simples possível. Cada cidade é avaliada usando as mesmas mercadorias e marcas, por exemplo, para fornecer esta comparação de custos de maneira assertiva”, comenta.

A pesquisa sobre custo de vida nacional revela que a categoria “serviços domésticos”, que inclui itens como diária para limpeza, babá e serviços de lavanderia, é a que mais pesa no orçamento. A cidade de Porto Alegre/RS, por exemplo, é a mais cara nesta categoria, com custo de vida 7% maior que em São Paulo – cidade usada como referência. Já Fortaleza/CE e Recife/PE registram um custo menor nesta categoria sendo 34% abaixo da média paulista.

Outro ponto mostrado pelo estudo é que a cidade do Rio de Janeiro (RJ) apresenta, na categoria “refeição fora de casa”, custo 4% maior que o praticado na capital paulista. Fortaleza, na outra ponta, apresenta o menor custo nessa categoria (-32%).

Esporte e lazer é a categoria que ocupa a terceira posição do ranking. Esta categoria analisa itens como aluguel de quadra de futebol e tênis, ingressos de cinema e shows entre outros. O estudo mostrou que o diferencial de nesse ítem, pode variar em até 51% entre as cidades. Manaus, lidera como a cidade mais cara para a prática esportiva e de lazer (16%), seguida por Camaçari (13%), Balneário Camboriú/SC e São José dos Campos/SP (6%). Belo Horizonte/MG apresentou-se como a cidade mais barata nesse tópico (-23%).

Seguindo o ranking, o Rio de Janeiro lidera como a cidade mais cara nas categorias cuidados pessoais e roupas e calçados, nos dois casos com valores 11% acima dos praticados em São Paulo. Nesse tópico, Campo Grande/MS é a mais barata (-25%).

O consumo de álcool e tabaco é mais dispendioso em Recife/PE, sendo 4% mais alto do que em São Paulo. Já em Manaus/AM, o custo é 25% menor.

Já a categoria “refeição em casa” tem a cidade de Camaçari/BA com maior valor praticado, 7% acima do município referência, seguida de perto por Porto Alegre/RS, Brasília/DF, Cuiabá/MT e Campinas/SP, todas com 6%. Na outra ponta, João Pessoa/PB, tem o custo mais baixo nesse quesito, sendo 19% menor.

Serviços de utilidade pública, que inclui itens como energia elétrica e telefonia, podem variar em até 30%, entre a cidade mais barata e a mais cara. A cidade de Curitiba/PR é mais cara (28%), seguida Fortaleza (20%), por Rio de Janeiro (18%), Belo Horizonte/MG e Campo Grande/MS (17%). Essa cesta é menos dispendiosa em Camboriú/SC (-2%).

Goiânia/GO, aparece como a cidade mais cara (15%) na categoria de suprimentos domésticos, que inclui itens como máquina de lavar roupas, micro-ondas, geladeira, ferro elétrico entre outros. Em contrapartida, Recife/PE e Campinas/SP estão listadas como as cidades mais baratas (ambas 6%).

Fechando o ranking, a categoria transporte, que analisa desde preço de veículos 0KM, como valor do transporte público, litro da gasolina, IPVA, tarifa de taxi, e itens de seguro e manutenção automobilística, traz a cidade de Porto Alegre/RS como a mais cara (6%), tendo Campinas/SP a mais barata (-2%).

Variação do ranking entre as cestas mais baratas e mais caras do Brasil (cidade referência São Paulo/SP)

Variação do ranking entre as cestas mais baratas e mais caras do Brasil (cidade referência São Paulo/SP)
1º Serviços Domésticos ______________________________________________________________ 62%
2º Refeição fora de casa _____________________________________________________________ 52%
3º Esporte e Lazer __________________________________________________________________ 51%
4º Cuidados Pessoais _______________________________________________________________ 48%
5º Álcool e Tabaco __________________________________________________________________ 39%
6º Roupas e Calçados ______________________________________________________________ 35%
7º Refeição em casa ________________________________________________________________ 31%
8º Serviços de utilidade pública ________________________________________________________30%
9º Suprimentos Domésticos __________________________________________________________ 22%
10º Transporte ____________________________________________________________________ 8%
Sobre a pesquisa

A pesquisa “Custo de Vida Nacional” mede a variação de preços comparativos de aproximadamente de 200 itens divididos em 10 categorias. Utilizando essa cesta e premissas, São Paulo foi usada como base e comparada a outras 16 cidades brasileiras. A escolha de São Paulo como referência se deve ao fato de a metrópole ser o maior centro comercial do Brasil.

Pesquisadores independentes baseados em cada cidade foram responsáveis pela coleta de preços de aproximadamente 200 itens reagrupados nas categorias: Serviços Domésticos; Refeição fora de casa; Esporte e Lazer; Cuidados Pessoais; Álcool e Tabaco; Roupas e Calçados; Refeição em casa; Serviços de utilidade pública; Suprimentos Domésticos; e Transporte.

 

Fonte: Mercer  

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.