Construtora em Goiânia elimina desperdício e reduz a quantidade de entulho em suas obras

Segundo a prefeitura da capital, resíduos gerados por atividades construtivas representa até 70% da massa dos resíduos sólidos urbanos da cidade. Em sua última obra, graças a inovações em seu programa Entulho Zero, Dinâmica Engenharia reduziu volume de caçambas em 80% na fase de alvenaria

0 496

Junho, 2018 – Na semana dedicada ao debate das questões ambientais, a partir do Dia Mundial do Meio Ambiente, em 5 junho, o manejo de resíduos sólidos nas grandes cidade é tema certo na pauta das discussões. Segundo dados da prefeitura de Goiânia, os entulhos gerados por atividades construtivas, desde a edificação de grandes empreendimentos a pequenas reformas residenciais,  representam até 70% da massa dos resíduos sólidos urbanos da capital. Nacionalmente, conforme a Associação Brasileira para Reciclagem de Resíduos da Construção Civil e Demolição (ABRECON), 66% dos resíduos sólidos urbanos partem de atividades construtivas.

Construtora em Goiânia elimina desperdício nos canteiros de obras. Divulgação

Segundo a Resolução nº 307 do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), de 2002, e conforme o Código de Postura da Capital, o manejo dos resíduos provenientes da construção civil (entulhos) são de responsabilidade das empresas ou pessoas físicas que os geram. Visando atender não só a legislação vigente, mas também contribuir para uma construção civil efetivamente sustentável e ecologicamente correta, a Dinâmica Engenharia, que acumula 35 anos de mercado neste setor, desenvolveu o projeto Entulho Zero.

A mais recente obra da empresa que está sendo concluída em junho – o Detail Vaca Brava no Setor Bueno, em Goiânia – representa um marco no projeto, que está sendo desenvolvido desde 2000 em todas as obras da construtora. Segundo o engenheiro residente da obra Marco Antônio de Carvalho, no que tange a sustentabilidade de descarte de entulhos, que foi bastante reduzida. Na fase de alvenaria, uma das etapas que mais geram entulho, a mudança foi significativa. “Antes a cada 2 pavimentos construídos do empreendimento era gerada uma caçamba de entulho, hoje, é necessária a construção de 12 pavimentos para chegarmos a encher uma caçamba”, explica o engenheiro.

No total, essa obra gerou em média 25 caçambas de entulho (ou 150m³) a cada mês. Sem as medidas de diminuição este número seria aproximadamente 30% maior, avalia o engenheiro. “Notamos que todos se preocupam muito com o que acontece no final do processo. É aí que tentamos mudar, melhorar para que não ocorra o desperdício e os resíduos e entulhos sejam o mínimo possível. Temos conseguido com muito planejamento”, diz Marco Antônio.

Mudanças

Tijolos foram fabricados na medida para evitar quebras e, por tanto, gerar menos entulho e desperdício. Divulgação

No Detail Vaca Brava, foram implantadas medidas para essa redução na quantidade de entulho gerado, além do tradicional descarte segundo as normas do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama).  Uma delas foi a fabricação de tijolos em medidas diferentes. “Nós conseguimos este avanço após muita negociação com os fornecedores, e hoje recebemos cinco modelos diferentes, o que nos permitiu menos quebra para encaixe das paredes. A tubulação elétrica já passou a ser embutida no momento que as paredes estão sendo erguidas, evitando a quebra dos tijolos”, explica. Além disso, ele lembra que os tijolos já chegam embalados nas medidas corretas para cada apartamento, trazendo maior consciência e responsabilidade para o colaborador no que tange a desperdícios.

O engenheiro também explica que houve a redução de resíduos de argamassa, isso porque o produto passou a ser adquirido já pronto para ser aplicado no piso. “Sem ter que fazer o preparo da argamassa no canteiro, economizamos o tempo gasto para isso, e reduzimos o desperdício de materiais, que se perdiam muito no manuseio de areia e da massa. Hoje o produto chega no caminhão betoneira e é bombeado por uma máquina (tubomax) diretamente no piso do pavimento. A partir dali que entra o colaborador com o trabalho manual de aplicação”, ressalta.

Outra medida adotada pela Dinâmica Engenharia para a redução dos entulhos é a substituição do uso de madeira para as estruturas temporárias na obra. No lugar, a empresa passou a adotar contêineres de aço. “Além de muito mais práticos e de fácil manutenção, eles podem ser reutilizados passando de uma obra para outra. Os contêineres que usamos na obra do Residencial Detail agora serão levados para o Celebrate Vaca Brava, cuja as obras começam neste mês de junho”, explica Marco Antônio.

Conama

Vale ressaltar que, dentro do projeto, um dos principais procedimentos é a classificação e separação dos resíduos sólidos segundo as orientações do Conama. Os materiais são separados da seguinte forma: Classe A, como concreto, argamassa, tijolos e revestimentos cerâmicos; Classe B, madeira, papel, vidro, plástico; Classe C, que inclui gesso em placa e em pó; e a Classe D, onde estão as tintas, solventes e óleos. “No Brasil, ainda trabalhamos na construção civil muito com alvenaria, materiais como tijolos e cimento são primordiais nas nossas construções, então o que temos a fazer é tentar reduzir ao máximo esses resíduos”, explica o engenheiro civil da Dinâmica Engenharia, Marco Antônio de Carvalho.

Para facilitar essa classificação, nas obras da Dinâmica Engenharia são disponibilizadas baias de separação e cada uma delas classificada de acordo como determina o Conama. A destinação desse material é feita de formares responsável, o papelão, madeira, plástico e itens que podem ser reutilizados ou reciclados são vendidos ou doados. “Quando vendemos o valor é convertido em benefício aos colaboradores, então realizamos algum café da manhã especial ou fazemos comemorações. Quando não é possível doamos esse material a catadores ou até mesmo cooperativas de reciclagem”, diz o engenheiro.

Fonte: Imprensa/Dinâmica Engenharia

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.