Paraty avança mais um passo para se tornar Patrimônio Mundial

0 217
Setembro, 2018 – A riqueza cultural e excepcional beleza natural, faz da região de  Paraty e Angra dos Reis um lugar sem igual. É o que defende a candidatura do primeiro sítio misto brasileiro a Patrimônio Mundial. Especialistas do Conselho Internacional de Monumentos e Sítios (Icomos) e da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN), órgãos assessores da Unesco, estiveram em missão no Brasil de 10 a 16 de setembro, para avaliar o reconhecimento mundial do sítio.
A candidatura Paraty: Cultura e Biodiversidade trata de um território de 130 mil hectares, em que o centro histórico se cerca de quatro áreas de preservação ambiental. Com áreas cobertas de vegetação primária, ali estão o Parque Nacional da Serra da Bocaina; o Parque Estadual da Ilha Grande; a Reserva Biológica Estadual da Praia do Sul; e a Reserva Ecológica Estadual da Juatinga. Se aprovado, esse sítio misto terá o reconhecimento como um patrimônio cultural e natural.
De 1.092 bens inscritos da Lista do Patrimônio Mundial, apenas 38 são mistos. A expectativa é que este sítio receba o título na próxima reunião do Comitê do Patrimônio Mundial, que irá ocorrer de 30 de junho a 10 de julho de 2019, em Baku, no Azerbaijão.
A candidatura é fruto de uma parceria entre o Ministério do Meio Ambiente, Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Prefeituras Municipais de Paraty e de Angra dos Reis.
Patrimônio Cultural e Natural
Ao longo de uma semana, a missão de avaliação percorreu um extenso percurso. Sobrevoaram o Parque Nacional da Serra da Bocaina, caminharam por um trecho do Caminho do Ouro, onde há vestígios preservados desse patrimônio arqueológico, remanescente dos antigos caminhos criados para o interior do país. No centro histórico de Paraty, conheceram exposições de materiais litúrgicos no Museu de Arte Sacra, a Casa de Cultura, exposição de aves raras no SESC e comidas típicas do município que leva o título de Cidade Criativa da Gastronomia.
Nos parques, realizaram observação de pássaros, logo pela manhã. Na Aldeia de Paraty-Mirim, viram uma apresentação de jongo. O turismo de base comunitária do Quilombo do Campinho revelou a interação entre cultura e meio ambiente, com a recuperação da mata atlântica com técnicas de agroflorestamento. Na Fazenda Bananal, conheceram a produção agrícola  em meio a uma agrofloresta.
Em um passeio na Juatinga tiveram a oportunidade de conhecer o recortado litoral com sua exuberante natureza  onde vivem e resistem cerca de cinquenta comunidades tradicionais caiçaras, indígenas e quilombolas. Após um sobrevoo de helicóptero pela área ambiental da Ilha Grande,  desembarcaram em Angra dos Reis, e realizaram de um percurso por lugares onde a natureza se apresenta caprichosa e exuberante.
“A missão demonstrou como cultura e natureza se integram, no território. Nas comunidades tradicionais, ou no próprio sistema de drenagem de Paraty, que respeita o movimento das marés, temos uma lição de cuidado com o meio ambiente”, declara Marcelo Brito, diretor de Cooperação e Fomento do Iphan.
Etapas da candidatura
O processo de construção de candidatura começa com a preparação técnica do dossiê, entregue à Unesco em janeiro de 2018. Após a avaliação de especialistas do Icomos e IUCN, esses organismos, por meio de seus especialistas, farão um relatório final que irá subsidiar a análise do Comitê do Patrimônio Mundial. Até dezembro, os órgãos responsáveis pela candidatura, Iphan, Ministério do Meio Ambiente, prefeituras de Paraty, de Angra, e demais municípios envolvidos estão construindo, em parceria, um plano de gestão compartilhada do sítio.
Além de dar visibilidade a esse importante destino brasileiro, o título cria um compromisso internacional na proteção do sítio histórico e natural. Em Minas Gerais, Conjunto Moderno da Pampulha recebeu o reconhecimento da Unesco em 2016. Desde então, o sítio recebe cerca de 50 mil visitantes a mais, por ano. Em 2017, mais de 191,3 mil pessoas foram visitar a Pampulha.
Fonte: Imprensa/IPHAN

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.